|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Lisboa e Porto empenhados no combate à violência doméstica

25 nov, 2019 - 14:07 • Redação com Lusa

Na data em que se assinala o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, Lisboa e Porto apresentam números e propostas para combater o flagelo da violência doméstica.

A+ / A-

A Câmara Municipal de Lisboa pretende aumentar, em breve, para perto do dobro o número de fogos disponíveis para pessoas vítimas de violência doméstica, passando de 30 para 58 casas, anunciou, esta segunda feira, a vereadora da Habitação.

Em declarações à agência Lusa, Paula Marques avançou que vai levar a reunião de câmara, no dia 05 de dezembro, uma proposta "para duplicar praticamente a resposta" dada às vítimas de violência doméstica em matéria de disponibilização de habitação.

O anúncio foi feito no dia em que se assinala o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres.

A autarca lembrou que este ano "33 pessoas foram assassinadas em contexto de violência doméstica", números que considerou "muito expressivos", e aproveitou para realçar que, no seu entender, o apoio "não chega", sendo a prevenção uma "questão fundamental".

Nesse sentido, Paula Marques decidiu com a administração da empresa municipal Gebalis, responsável pela gestão do arrendimento social no munícpio, levar a cabo um "programa de prevenção, alerta, apoio e empoderamento das pessoas vítimas de violência doméstica, no sentido de perceberem que não é um fenómeno só delas".

No Grande Porto, o Centro de Apoio a Vítimas de Violência Doméstica da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) celebra, esta segunda feira, dez anos de existência, tendo aproveitado a ocasião para divulgar alguns dados referentes ao funcionamento do centro na ultima década.

Adiantando que, de 2009 a 2019, foram atendidas presencialmente e por telefone cerca de 36.129 vítimas, com idades entre os 16 e 86 anos, realçaram que 257 casos acompanhados eram de risco elevado.

Relativamente ao apoio habitacional, através dos apartamentos de autonomia, intitulados LAAR (Liberdade, Autonomia, Afeto e Recuperação), que o centro gere em Vila Nova de Gaia, no âmbito de um protocolo assinado com a autarquia, acolheram, nos últimos quatro anos, 19 mulheres e 12 crianças, sendo que a taxa de autonomização bem sucedida após este apoio é de 79%.

Neste momento, o objetivo é implementar uma solução idêntica na cidade do Porto, que possa acolher vítimas de violência de doméstica em situação de risco.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.