|
A+ / A-

DECO

​Sete dicas para sobreviver à "Black Friday" sem ser enganado

25 nov, 2019 - 17:19 • Inês Rocha

Como saber, na hora de comprar, se os descontos anunciados correspondem mesmo a um bom negócio? A Associação de Defesa do Consumidor dá as respostas.

A+ / A-

Olhar para o histórico de preços, comparar com outras lojas, começar cedo e conhecer as políticas de devolução das lojas. São várias as estratégias sugeridas pela DECO para “sobreviver” à “Black Friday” sem ser enganado pelos comerciantes.

A “sexta-feira negra” é um dos mais importantes dias para o comércio norte-americano e virou moda em muitos outros países, incluindo Portugal. Acontece todos os anos, na quarta sexta-feira de novembro, um dia depois do Dia de Ação de Graças, um dos mais importantes feriados dos EUA.

Neste dia, grande parte das lojas baixa drasticamente os preços de muitos produtos. No entanto, por vezes, a propaganda não corresponde a verdadeiras oportunidades de bons negócios.

Em 2015 e 2016, a DECO detetou vários casos de subida dos preços dias antes da "Black Friday", por forma a simular promoções mais interessantes. A prática diminuiu em 2017 e 2018, mas a DECO diz ter encontrado de novo, nestes últimos anos, alguns exemplos de publicidade enganosa.

Mas como saber se os descontos anunciados correspondem mesmo a um bom negócio? Veja os conselhos da associação de defesa do consumidor antes de se lançar em compras.

1. Verifique o histórico de preços

Como já é hábito nesta altura do ano, a DECO voltou a lançar, esta segunda-feira, a ferramenta “Comparar Preços”, com o objetivo de ajudar o consumidor a não cair em armadilhas na “Black Friday”.

A ferramenta de pesquisa da DECO regista a evolução dos preços dos produtos nas lojas online ao longo dos últimos dias, para aconselhar ou não a sua compra.

Mediante a pesquisa, através do link completo do produto ou do nome do mesmo, a ferramenta devolve um semáforo com três cores: verde (indica que é um bom negócio), amarelo (para produtos cujos preços atuais são semelhantes aos 30 dias precedentes) e vermelho (quando a compra é desaconselhada porque o preço já esteve mais baixo).

O veredicto surge acompanhado por informação sobre a evolução dos preços registada nos últimos 7 dias, um mês e três meses.

2. Compare sempre o preço com outras lojas

Além do gráfico de preços referente àquela loja, a ferramenta da DECO indica também qual o preço atual daquele produto noutras lojas - um recurso útil para perceber se o desconto vale mesmo a pena, já que muitas vezes, apesar de haver desconto, é possível encontrar preços originalmente mais baixos noutras lojas.

3. Prepare-se com antecedência

A pesquisa é a melhor aliada na busca por bons negócios. Procure, antes do frenesim do dia dos descontos, quais os produtos que realmente lhe interessam.

Caso planeie comprar em lojas online, a DECO sugere ainda que se registe como utilizador alguns dias antes da "Black Friday". A grande afluência a estes websites em dias de promoções pode dificultar o processo de compra, tornando-o mais lento.

Esteja também atento aos vendedores que se propõem a igualar os preços mais baixos do mercado caso os consumidores lhes apresentem provas da prática de preços mais baixos, nos mesmos produtos, por outras lojas. Verifique se alguma loja anuncia este tipo de campanha, pois poderá permitir-lhe fazer boa parte das compras num só lugar.

4. Verifique a qualidade dos produtos

O preço não é o único indicador da qualidade de um produto. Antes de adquirir algo, procure saber quais as características e se estão de acordo com as suas expectativas.

5. Comece cedo

Se está mesmo investido em conseguir os melhores descontos, não deixe para a última. As melhores ofertas são, por norma, as que se esgotam mais cedo. Nas lojas físicas, procure o horário de abertura (em algumas delas, o horário poderá ser diferente do habitual). Mas não se admire se encontrar grandes multidões na luta pelos preços mais baixos.

Dos empurrões da Black Friday portuguesa à Fair Friday na Suíça
Dos empurrões da Black Friday portuguesa à Fair Friday na Suíça

Se for comprar online, bastará esperar que chegue a meia-noite - mas é possível que, com a procura elevada, os sites estejam mais lentos do que o habitual.

6. Conheça as políticas das lojas

Se vai comprar online, tem o direito de devolver o produto no prazo de 14 dias. Mas se comprar numa loja física, não se esqueça de verificar a política de trocas e devoluções, já que o comerciante não está obrigado a receber devoluções (exceto em caso de defeito, por exemplo). Veja também se existem regras especiais para a devolução de produtos nos períodos de promoções.

7. Cuidado com os vendedores falsos

A DECO alerta ainda os consumidores para as lojas fictícias ou aquelas que vendem produtos contrafeitos e pirateados. Antes de comprar, garanta que a loja escolhida é de confiança.

“Tenha cuidado com as ofertas que parecem “demasiado boas para ser verdade” e verifique bem as informações divulgadas nesses canais, para garantir que não cai em fraudes”, alerta a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.