|
A+ / A-

Muro a delimitar bairro social de Leiria gera polémica

20 nov, 2019 - 18:33

​PSD pede esclarecimentos e fala em segregação. Autarquia argumenta que "muro estabelece proteção em relação ao terreno florestal".

A+ / A-

Os deputados do PSD eleitos pelo círculo de Leiria na Assembleia da República pediram esta terça-feira esclarecimentos à Câmara local sobre a construção de um muro no bairro social da Integração.

Os deputados questionam o município liderado por Gonçalo Lopes (PS) sobre as "razões que motivaram a construção de um muro de dois metros a delimitar o bairro social da Integração", se as "necessidades de definição de limites do terreno não seriam asseguradas através de outras formas ou soluções mais inclusivas" e "de que forma se compatibiliza a circunstância de se tratar de um bairro social de integração e, simultaneamente, estar este bairro delimitado e separado da comunidade, num consequente ato de pura segregação".

Citada na nota de imprensa, a deputada do PSD, Margarida Balseiro Lopes, eleita por Leiria, considera que "esta parece ser uma situação absolutamente contrária ao objetivo de integração que a autarquia deveria prosseguir".

"A construção de um muro de 2 metros que isola uma comunidade não é aceitável, tanto mais que as justificações avançadas pela autarquia leiriense parecem querer disfarçar uma inegável segregação social. A era dos muros que tanto tem sido criticada noutras geografias do mundo parece ter sido adotada pela Câmara de Leiria", rematou.

Numa nota de imprensa de esclarecimento à notícia avançada pelo "Jornal de Notícias" sobre este assunto, o município esclareceu que o "muro estabelece proteção em relação ao terreno florestal, nomeadamente face ao risco e histórico de incêndios florestais naquela zona, o que evidencia a necessidade de oferecer maior segurança e proteção, tendo-se optado pela solução existente".

Considerando que o "muro não isola pessoas", a Câmara sublinha que "não existem vivendas do outro lado do muro", mas sim "um terreno baldio florestal, que não oferece condições de segurança".

"A construção do muro constituía uma obrigatoriedade da candidatura ao PEDU [Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano]" e "existe apenas numa lateral e no tardoz do Bairro da Integração, pelo que não isola", acrescenta a nota da Câmara, ao revelar que fez um investimento superior a meio milhão de euros "para oferecer condições dignas de vida aos moradores, que antes não tinham".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.