A+ / A-
Web Summit 2019

Somos o que comemos? "A pirâmide alimentar é uma mentira"

07 nov, 2019 - 17:21 • Redação

"Muita informação que chega sobre a melhor alimentação para o ambiente é ideologicamente criada pela propaganda vegan", defende a CEO da "Dieta do Leão", Mikhaila Peterson.

A+ / A-

O ex-cirurgião cardíaco e escritor, Steven Gunday, a diretora executiva da “Dieta do Leão”, Mikhaila Peterson, e o cofundador da plataforma Noom, Saeju Jeong, criticaram esta quinta-feira, no último dia da Web Summit, a pirâmide alimentar que orienta a população mundial há várias décadas, alterando a sua disposição por completo e remetendo a preocupação ambiental ligada à alimentação para segundo plano.

Numa palestra pouco consensual dedicada ao tema da alimentação, à saúde e à tecnologia, os três oradores defenderam no palco “Conferências de Saúde” que não existe uma pirâmide alimentar aplicável a todos os indivíduos e que esta deve ser substituída por uma dieta adaptada às necessidades de cada um.

Desafiado a alterar a pirâmide alimentar, Gunday apresentou a sua própria versão. “Na base da pirâmide alimentar estão todos os verdes e muito azeite e nozes. A segunda fila fica vazia. Depois, na fila seguinte não colocamos nenhumas batatas, massas, pão ou cereais, mas colocamos chocolate negro acima dos 72% de cacau e água. O peru fica no topo para momentos ocasionais. Por fim, quatro a seis copos de vinho tinto ou champanhe por dia.”

“Não me parece existir alguma comida aí que eu possa comer sem ter graves problemas relacionados com a minha doença autoimune, por isso começaria completamente de novo. Não inseria a carne vermelha no fim”, disse Peterson, que escreve no seu site que “a pirâmide alimentar é uma mentira”.

Já o cofundador da plataforma Noom respondeu ao desafio dizendo que, na sua empresa, não se promove “nenhum regime alimentar específico ou alguma dieta da moda". "Nós seguimos o que a CDC [Centro para Controlo e Prevenção de Doenças] recomenda.”

O reflexo de diferentes escolhas na composição desta pirâmide leva à recomendação geral de um “estudo alimentar para descobrir o que resulta melhor” para cada indivíduo.

Quando questionados sobre alimentação mais sustentável para o planeta, dando exemplos do regime alimentar vegan e vegetariano, a diretora executiva que se alimenta à base de carne vermelha, sal e água respondeu que está “mais preocupada em como regredir a doença autoimune do que nas emissões de CO2”. Já o médico Steven Gunday respondeu à questão sugerindo a digestão de “verduras da família da chicória, como por exemplo endívias e cogumelos”.

No final da sessão, Peterson e Gunday quiseram deixar o seu testemunho sobre jejum intermitente. “Quanto mais tempo tenho comido só carne, menos vezes tenho comido. Eu, geralmente, só janto ou só como um lanche tardio e depois janto. Faço cerca de 18 a 20 horas de jejum intermitente”, afirmou Peterson.

“Uma das coisas que descobri através dos meus estudos nas minhas clínicas é que quantas mais refeições saltares, mais saudável serás”, acrescenta o escritor do livro “O Paradoxo das Plantas: O Perigo Escondido na Comida ‘Saudável’ Que Causa Doenças e Aumento de Peso.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.