A+ / A-

Mais do que violência, escolas têm problema de indisciplina crescente

07 nov, 2019 - 06:51 • Lusa

A presidente Conselho Nacional de Educação defende que chumbar um aluno "não serve para nada".

A+ / A-

Um "problema de indisciplina crescente", mais do que "violência crescente", é a leitura que a presidente do Conselho Nacional de Educação faz das recentes notícias de agressões nas escolas, "sintoma de um certo mal-estar".

"Do que vi não há um problema de violência crescente, pode haver um problema de indisciplina crescente, mas de violência, lá está, as estatísticas dizem que não. Dá jeito saber e comparar números. Apesar de tudo são sintoma de um certo mal-estar. São casos pontuais, mas são sintoma de um mal-estar, que obviamente tem que se lhes dar atenção", disse a presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), Maria Emília Brederode Santos, em entrevista à Lusa.

Nas últimas semanas foram conhecidos vários casos de agressões, contra professores e funcionários, que levaram representantes dos pais e diretores escolares a reagir e a garantir que as escolas não estão transformadas em "campos de batalha", concordando com a posição transmitida pelo Ministério da Educação de que se tratam de "casos pontuais".

A indisciplina é maior, quanto mais velhos são os professores, segundo um estudo divulgado em 2016 da autoria do projeto aQeduto, uma parceria do CNE com a Fundação Francisco Manuel dos Santos.

O envelhecimento da classe docente é precisamente um dos grandes problemas da Educação: Apenas 1% dos professores tem menos de 30 anos e 41% tem pelo menos 50 anos, segundo o relatório anual sobre educação da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), Education at a Glance, divulgado em setembro.

Maria Emília Brederode Santos não entende o envelhecimento como um problema em si mesmo, lembrando que a idade é quase sempre sinónimo de experiência. Para a presidente do CNE, mais preocupante pode ser o facto de esse conhecimento acumulado não estar a ser transmitido aos mais novos.

Neste momento uma das preocupações do CNE é o racismo que ainda existe dentro dos muros da escola. A esse propósito, o conselho tem em preparação uma recomendação sobre educação para a cidadania e antirracismo, revelou a presidente.

"É bom que nos demos conta que existe algum racismo, pode não ser tão grave como noutras situações, mas existe e a escola, mais uma vez, é o meio para se conseguir superar isso", disse.

Maria Emília Brederode Santos lembrou que é preciso virar o foco para as crianças e jovens "mais invisíveis" ou que possam estar sujeitas a discriminação. A estas, as escolas devem dar mais atenção.

No mesmo sentido, continuou, deve-se olhar com mais atenção para as minorias étnicas ou para as crianças com necessidades educativas especiais.

A pedagoga defende que chumbar um aluno "não serve para nada" e acredita que combater esta prática não será uma porta ao facilitismo porque a ideia não é "passar sem saber".

Para a presidente do CNE, a recente polémica em torno do programa do Governo de reduzir ao mínimo os chumbos no básico não pode ser vista como um quadro a preto e branco. "É muito importante que se perceba que a alternativa não é, nem pode ser, entre chumbar ou passar sem saber", defende.

Portugal é um dos países da OCDE com taxas de reprovação mais elevadas. Só no ano passado, chumbaram 50 mil alunos no ensino básico. Além disso, este é um fenómeno que atinge sobretudo alunos de meios socioeconómicos carenciados.

A responsável entende que os alunos com dificuldades não devem "reprovar e repetir o ano todo outra vez" mas sim ter um apoio específico.

"É aí que nós apostamos, para que haja outro tipo de estratégias que ajudem os miúdos a aprender sem ser preciso recorrer à reprovação, que não serve para nada", defende Maria Emília Brederode Santos.

Quanto ao ensino superior, acredita que o modelo de acesso "vai ter que ser repensado" e terá de "ser mais alargado" porque "em toda a parte quase que o ensino superior está a tornar-se obrigatório".

Evitando alongar-se sobre o tema, uma vez que o CNE tem uma recomendação em preparação, defendeu, no entanto, que para além de alargar o acesso, o ensino superior "vai ter que rever um pouco a sua própria pedagogia".

"Se nos primeiros anos, o aluno não tem determinadas competências que a instituição de ensino superior entende que devia ter, terá que as promover e não ficar à espera que só lhe cheguem alunos que já têm as competências que querem", disse, a propósito dos diferentes níveis de preparação que os alunos podem ter à entrada consoante o regime em que concluíram o ensino secundário.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    07 nov, 2019 Trofa 11:52
    O problema esta nestas pessoas que são teóricas e não sabem da realidade. Todos os políticos, da esquerda a direita, ao longo dos anos, foram, acabando com a Educação, acham "giro" que não haja Educação, é triste e lamentável, mas é fruto dos políticos que temos e cada vez pior, muito pior. alias podiam modificar o nome do ministério da Educação, para ministério escolar, pois é para colocar pessoas, amigos, sem qualquer capacidade para gerir e entender o parque escolar. Aos alunos, como felizmente a maioria tem educação em casa, mas existe uma pequena minoria, infelizmente espalhados por todas, mas mesmo por todas as escolas de norte a sul, sem qualquer educação em casa, se os pais não tem educação como é que os miúdos/jovens vão ter educação e como tinha referido isto é uma bola de neve e cada vez vai ser pior. Continuem a tapar o sol com a peneira.., é bonito para as estatísticas da UE