A+ / A-

Web Summit. "Trabalhos repetitivos têm os dias contados"

06 nov, 2019 - 12:44 • Liliana Monteiro

Especialização, trabalho remoto, automatização, criatividade e inteligência artificial – o futuro do mundo do trabalho em debate na Web Summit.

A+ / A-

No futuro, metade do trabalho será automatizado e vão poupar-se muitas horas em tarefas diárias desnecessárias. É a convicção de Vargha Moayed, da empresa UiPath, que desenvolve sistemas de automatização robótica.

“O trabalho repetitivo, que nos transforma em máquinas, nos afasta da família e do que nos dá prazer, tem os dias contados”, garantiu durante o debate sobre o futuro do trabalho em que participou, nesta quarta-feira, na Web Summit.

Durante a conferência, Vargha Moayed sublinhou que “passamos muito tempo a fazer o que não gostamos” e frisou que “os robots não vieram para nos roubar trabalho, mas sim para nos ajudar e sermos mais livres”.

Os computadores podem gerir informação, analisar documentos, comunicar com o trabalhador. “Um simples powerpoint ou resposta a email poderá ser feita pela máquina de forma rápida”, exemplificou.

Negócios de sucesso com trabalhadores felizes

Antes da intervenção de Vargha Moayed, quatro empresários refletiram, na Web Summit, sobre qual o caminho a seguir para ter negócios de sucesso, mas, acima de tudo, trabalhadores empenhados e felizes.

Yancey Spreill, da DigitalOcean, diz apostar no trabalho remoto: tem a trabalhar para si uma diversidade de pessoas, de diferentes raças, que vivem em diferentes estados norte-americanos.

“Isto traz riqueza e diversidade à empresa”, argumenta, dizendo que permite também chegar a mais tipos de clientes.

Mas a dificuldade de encontrar pessoas motivadas e com talento foi apontada por todos como um problema. David Yang, da ABBYY, revelou mesmo que tem instalado na sua companhia um sistema que recolhe informações sobre o estado de espírito dos colaboradores, de modo a conseguir prever problemas.

Já Sarah Nahm, da Lever, diz que os empregados têm de se sentir parte da empresa e do sucesso dela.

“É preciso criar tarefas e funções em torno do talento do trabalhador”, defende, sublinhando a importância de aproveitar a diversidade de cada um.

Polina Montani, da JobToday, lembrou que o futuro traz cada vez mais procura de colaboradores para as empresas através do Facebook, da Google e outras plataformas, e que as empresas se vão focar mais na “alta especialização” dos colaboradores.

Numa coisa todos estiveram de acordo: “as pessoas odeiam tarefas repetitivas e querem concentrar-se no mundo e na sua criatividade”.

A prática mostra que um trabalhador feliz resulta num cliente satisfeito com os serviços prestados pela empresa, concluíram.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.