A+ / A-
Web Summit 2019

​Cantona quer mudar o mundo com 1% dos rendimentos do futebol

05 nov, 2019 - 17:51 • Cristina Nascimento

Também no placo central da Web Summit, o ator Ian Somerhalder falou sobre os efeitos das redes sociais na sanidade mental, sobretudo dos mais novos.

A+ / A-

O antigo futebolista Eric Cantona é o embaixador do projeto “Common Goal” e veio ao palco central da Web Summit esta terça-feira, de boné e barba grisalha, apresentar uma proposta: que os profissionais do mundo do futebol façam uma doação no valor de 1% dos seus rendimentos para um fundo central de combate à pobreza e às desigualdades sociais em todo o mundo.

“Quando começámos isto há dois anos chamaram-nos loucos, mas já temos 130 atletas profissionais a trabalhar connosco”, disse Jürgen Griesbeck, cofundador do projeto, que partilhou o palco da Web Summit com Cantona.

O dinheiro reunido será depois usado em benefício daqueles que mais precisam, quer em bens básicos – como roupa ou calçado – quer em educação, exemplificou Giresbeck.

Cantona reforçou a mesma ideia. “O futebol é o desporto mais popular do mundo. Podemos usar o futebol para muitas coisas. É também um meio de educação: temos de respeitar os adversários, os adeptos, etc", disse o antigo jogador francês. "É uma escola de vida."

Antes do jogador de futebol, foi a vez de usar a palavra um grupo de “influencers”, entre os quais o ator da série “Diários de um Vampiro”.

Ian Somerhalder, 40 anos, que conta com 15 milhões de seguidores no Instagram, destacou que numa fase do mundo de abundância, por exemplo, ao nível dos medicamentos, da sabedoria, da tecnologia, também abunda a taxa de depressão, sobretudo entre os mais novos.

Somerholder reconheceu que o número de “likes” nas redes sociais "é como uma droga e as pessoas ficam viciadas, o que está diretamente relacionado com a saúde mental".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.