|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Governo quer recuperar “décadas de atraso” na ferrovia

04 nov, 2019 - 18:36 • Rosário Silva

O ministro Pedro Nuno Santos quer que a CP volte a ser “a grande empresa nacional que sempre foi” e anunciou, em Elvas, a recuperação de várias composições, cerca de 70, que estão atualmente armazenadas.

A+ / A-

O ministro das Infraestruturas e Habitação reconheceu esta segunda-feira, em Elvas, que “durante décadas, os sucessivos governos desinvestiram na ferrovia”, considerando prioritário voltar a apostar no transporte ferroviário.

“É verdade, não tenhamos problemas em dizer as coisas como elas são. Chegámos a este ponto com décadas de atraso, mas finalmente o comboio está no carril e é importante mostrar ao país que a ferrovia é uma aposta nacional e que ela está em curso, não apenas nos anúncios, mas no terreno”, afirmou o governante.

Pedro Nuno Santos falava aos jornalistas depois da assinatura do auto de consignação da empreitada de construção do novo troço ferroviário entre Alandroal e Elvas.

“Já toda a gente percebeu, provavelmente tarde demais em Portugal, que o futuro é o transporte coletivo, o transporte ferroviário, pesado ou ligeiro. Independentemente de cada um usar ou ter o seu automóvel, nós só conseguiremos unir e aproximar o país, integrá-lo na economia ibérica e liga-lo à Europa, através da ferrovia”, insistiu Pedro Nuno Santos, reforçando que “a ferrovia é o meio transporte do futuro e não do passado”.

As declarações foram proferidas no decorrer de uma visita que o governante fez às obras do troço Elvas/Caia, no Allan Vip, o veiculo que a Infraestruturas de Portugal (IP) utiliza para ações de inspeção.

Minutos antes, o ministro, no discurso da cerimónia que decorreu na Câmara Municipal de Elvas, chamou a atenção para o facto de não estar ali para fazer nenhum anúncio, mas para mostrar que existe um plano e que ele já está no terreno.

“O que estamos aqui a fazer é o ultimo ato que depende do Estado, é a consignação. A partir de agora, a responsabilidade é do empreiteiro que tem de começar a obra. Já não é connosco”, referiu o ministro, reconhecendo, contudo que o Governo vai fiscalizar e acompanhar “esta importante obra”.

Pedro Nuno Santos deixou ainda uma palavra para a CP que, pretende que volte a ser uma “grande empresa nacional”. Para além da compra de novos comboios, anunciou a recuperação de várias composições que estão atualmente armazenadas.

“São mais de 70 unidades, entre carruagens, automotoras e locomotivas que estavam encostadas e vão ser recuperadas, o que vai permitir diferentes combinações”, assegura, esperando que se consigam “cerca de 20 comboios com diferente material circulante”.

O ministro das Infraestruturas espera vê-los a circular “bem antes de 2023”, sendo que alguns podem já estar nos carris no próximo ano.

Quanto ao novo troço ferroviário entre Alandroal e Elvas (ligação à Linha do Leste), tem uma extensão de 38,5 quilómetros e integra o futuro Corredor Internacional Sul previsto no âmbito do Programa Ferrovia 2020.

A empreitada representa um investimento de 130,5 milhões de euros, tem um prazo de execução de dois anos e quatro meses e foi adjudicada ao consórcio Sacyr Somague/Sacyr Infraestruturas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ADISAN
    05 nov, 2019 Mealhada 15:23
    Agora é que vão efectivamente ser repostas as linhas de Coimbra - Lousã (ramal da Lousã) e de Pampilhosa - Figueira da Foz (ramal da Figueira - via Cantanhede) Que saudades!!!