Tempo
|
A+ / A-

Estudantes de Medicina rejeitam ideia de obrigar jovens médicos a permanecer no SNS

27 out, 2019 - 12:59

A medida pode, contudo, ser positiva se os "pactos de permanência" defendidos pelo Governo forem opcionais e contemplarem benesses ou benefícios para os percursos e carreiras dos profissionais, diz Vasco Mendes da associação de estudantes.

A+ / A-

A Associação Nacional de Estudantes de Medicina espera que o Governo não esteja a prever obrigar os médicos formados no SNS a permanecer no serviço público, ideia que entende como "incompreensível".

O programa do Governo entregue no sábado no parlamento quer um "reforço de recursos humanos" que passe pela "celebração de pactos de permanência no SNS após a conclusão da futura formação especializada".

O documento não detalha de que forma serão celebrados esses "pactos de permanência", nem se passará por obrigar ou não os médicos internos que façam formação de especialidade no SNS a ficarem por um período de tempo nos serviços públicos.

O presidente da Associação Nacional de Estudantes de Medicina, Vasco Mendes, entende que "não seria compreensível que obrigassem os médicos a ficar no serviço público só porque pretendem finalizar a sua formação".

"A formação médica tem duas fases, a universitária e pós-graduada na especialidade. Nessa segunda fase, a única via é o concurso público. Não conseguimos ver como uma alternativa compreensível obrigarem os profissionais de saúde a ficarem no serviço público por mais anos porque pretendem acabar a sua formação", declarou Vasco Mendes à agência Lusa.

Contudo, o representante dos estudantes de Medicina considera que a medida pode ser positiva se os "pactos de permanência" defendidos pelo Governo forem opcionais e contemplarem benesses ou benefícios para os percursos e carreiras dos profissionais.

Há cerca de um mês, o ex-ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes manifestou-se totalmente contra a ideia de obrigar os jovens médicos formados no SNS a ficar no sistema público e também contra a obrigatoriedade de dedicação exclusiva dos médicos.

"Só a palavra obrigar me deixa logo inquieto. Não é através do sequestro que se consegue melhorar a condição de trabalho das pessoas ou a atratividade para dentro do sistema. Infelizmente, forçar, obrigar, reter, impedir são palavras nos tempos que hoje vivemos que estamos a ouvir demais. É preciso construir modelos que pensem no médio e longo prazo", defendeu, em declarações à Lusa, o anterior ministro da Saúde, que foi substituído em outubro do ano passado por Marta Temido, que agora se manteve como ministra da Saúde.

No programa entregue no sábado na Assembleia da República, Governo defende "pactos de permanência" no Serviço Nacional de Saúde para os profissionais que acabem a sua formação especializada e pretende avançar para a opção pelo trabalho em exclusividade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Joaquim Cruz Pinto
    29 out, 2019 Ílhavo 03:47
    Parece-me ter de concluir que deve até agora ter sido um médico ou um estudante de Medicina o responsável pela "triagem" (censura ?) de comentários que defendam que haja um mínimo de permanência dos nossos médicos no SNS, ou que paguem integralmente a formação que lhes foi dada - a pronto, ou em suaves prestações. Continue(m) assim, que riscarei em definitivo a RR das minhas leituras e audições.