RR
|
Henrique Raposo
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

nem ateu nem fariseu

​O bisturi da poesia

25 out, 2019 • Opinião de Henrique Raposo


A modernidade trouxe o cienticismo que criou o tal desencantamento do mundo. A visão religiosa, poética e mística do mundo foi destruída pelos bulldozers da tecnologia e ciência.

Os presságios através dos sonhos são uma constante na "Odisseia". Homero oferece-nos aliás dois tipos de presságio, os verdadeiros e os falsos.

Os verdadeiros são sonhos que entram neste mundo através de um portal feito de chifre polido. Aquilo que é sonhado através do modesto chifre é uma antecipação exata do futuro. Vai acontecer mesmo.

Os presságios falsos e nocivos passam para este mundo através de um portal esculpido num marfim luxuoso. O que reluz engana.

A poesia de Homero era um reflexo de um mundo ainda poético, ainda alimentado por uma linguagem que desconhecia o desencantamento do mundo. A poesia não estava só nos livros, estava no mundo, no senso comum.

A modernidade trouxe o cienticismo que criou o tal desencantamento do mundo. A visão religiosa, poética e mística do mundo foi destruída pelos bulldozers da tecnologia e ciência. Depois a pós-modernidade trouxe o cinismo igualmente desencantado. Mas a verdade é que o encantamento do mundo é insuperável, até porque muitas vezes é objectivo, real e, sim, científico.

O que diriam se eu vos dissesse que as árvores falam entre si? Diriam que eu estava a criar uma fábula. Sucede que essa fábula é real. Vejam por favor um documentário de Judi Dench chamado "My Passion for Trees”.

Ali podem ver como as árvores falam mesmo entre si através de toques das raízes que comunicam como as células do nosso cérebro. Há sinapses debaixo dos nossos pés.

Os bosques encantados das lendas, arvoredos que formavam um único ser vivo e místico, eram percepções precisas da realidade. Uma floresta (uma verdadeira floresta, não estas coisas que temos em Portugal) é de facto um único sistema interligado e senciente.

Como tem salientado Vergílio Azevedo no Expresso, a tese da Gaia, a terra como um único ser vivo, não é mero espiritualismo.

O que diriam se eu vos dissesse que algumas mulheres sonham com o cancro dias antes de sentirem o caroço? Diriam que eu estou a criar outra fábula, não é? Lamento, mas tenho más notícias para o cinismo e para o cienticismo.

Em “Filhos da Quimio”, o autor, Nelson Marques, teve coragem para colocar no papel aquilo que ouviu no terreno: Sim, sonhei com o cancro antes de sentir o caroço na mama! - eis um sonho negro que passou pelo portal do modesto chifre. Estou a elogiar o autor, porque outros, dentro da lógica cínica ou cienticista, limitar-se-iam a apagar estas declarações, assumindo que só podiam ser delírios provocados pelo medo da doença.

Onde é que eu quero chegar? Qual é a moral da história? Sim, devemos prezar a ciência, mas não podemos esquecer a linguagem encantada do mundo.

A poesia está no mundo, não está apenas nos livros. A poesia não é um adorno estético, é um bisturi sobre a realidade.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vera Costa
    26 out, 2019 03:27
    Olá Henrique Raposo! O que o Henrique está a querer dizer é que as pessoas lêem e depois com o medo, mentalizam-se e têm a doença? É um bocado complicado de entender! mas conheci um médico estomatologista, que dizia que quando alguém se queixasse com dores nos dentes para me afastar, porque senão começava a sentir também! eu fartava-me de rir! ele afirmava , que era verdade! eu até lhe cheguei a perguntar se também lhe acontecia, ele disse que sim! que de vez em quando tinha dores impossíveis! sem ter nada nos dentes! eu achava que não era possível! Eu tenho de vez em quando dores nos ossos que atingem os maxilares, é normal! mas não acredito que a mente se iluda assim sem mais nem menos! Quanto às árvores ou plantas acho que se possam comunicar, porque todos os seres vivos da mesma espécie é natural que se comuniquem entre si! A poesia está no mundo! claro que está! disso eu tenho a certeza! porque sem Natureza, nós não tínhamos bases, para fazer poemas! Os romances, nunca gostei de ler romances! acho um disparate inventarem histórias de vidas, não dá interesse nenhum! Se forem histórias vividas, isso dá interesse! mas também se forem histórias tristes, não vou perder tempo, com coisas que me aborrecem! gosto de ler coisas que me distraiam. Bom fim de semana!