|
A+ / A-

Antiga bancária da CGD condenada a pena suspensa por desviar 340 mil euros

24 out, 2019 - 16:01 • Lusa

Entre os 16 clientes lesados, contava-se uma mulher de 103 anos e alguns nonagenários. Os factos ocorreram entre 2007 e 2009 e o banco ressarciiu os clientes em 2012, já a funcionária estava reformada.

A+ / A-

O tribunal de São João Novo, no Porto, condenou esta quinta-feira a três anos e meio de prisão, pena suspensa, uma antiga bancária da Caixa Geral de Depósitos (CGD) por ter desviado 340 mil euros de 16 clientes.

A pena é cúmulo jurídico de três anos de prisão por peculato e um ano e três meses de prisão por falsidade informática.

A mulher estava também acusada de falsificação de documentos, mas o tribunal não conseguiu reunir prova desse crime, optando por seguir o princípio "in dubio pro reo" (na dúvida favoreça-se o arguido).

Os factos ocorreram entre 2007 e 2009, mas o banco do Estado só reuniu provas dos desfalques, que o obrigaram a ressarcir os clientes, em 2012, já a funcionária estava reformada.

O tribunal foi informado, entretanto, que a arguida e a CGD chegaram a um acordo quanto à forma de restituição do dinheiro desviado.

A mulher, de 67 anos, que era gestora de contas, desviava dinheiro sobretudo de contas de pessoas idosas e com algum poder económico, que não controlavam os extratos ao detalhe e com quem tinha uma relação de grande confiança.

Entre os clientes lesados contava-se uma mulher de 103 anos e alguns nonagenários.

Nas alegações finais, o Ministério Público pediu a condenação da mulher, admitindo que lhe fosse aplicada a pena suspensa, tal como o tribunal veio a decidir.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.