|
A+ / A-

​Bispo do Porto quer “uma verdadeira lei do voluntariado”

20 out, 2019 - 20:02 • Redação com Ecclesia

D. Manuel Linda lançou o apelo na cerimónia de inauguração da estátua de D. António Barroso, em homenagem aos missionários portugueses.

A+ / A-

O Bispo do Porto, D. Manuel Linda, pediu este domingo aos legisladores “uma verdadeira lei do voluntariado”. Em Cernache do Bonjardim, no concelho da Sertã, D. Manuel Linda presidiu à inauguração da estátua de D. António Barroso, em homenagem aos missionários portugueses, oportunidade para lançar o apelo.

“Faça-se justiça criando uma verdadeira lei que valorize o voluntariado, mormente o missionário, a exemplo do que acontece em muitos países civilizados do mundo, com a qual as centenas de leigos e religiosos que todos os anos partem para a missão não sejam prejudicados nos seus direitos sociais, mas obtenham o justo reconhecimento”, afirmou D. Manuel Linda.

O também presidente da Comissão Episcopal Vocações e Ministérios afirmou ainda na ocasião que o monumento à missionação portuguesa é um “dever de justiça”.

“Este monumento traz-nos à memória a história tensa entre libertação, salvação e inculturação”, disse.

D. Manuel Linda referiu que os missionários são os “maiores fomentadores da verdadeira cultura da globalização”, “expressões sublimes do género humano” e os construtores do “homem novo”, a “exemplo de Jesus Cristo”.

“É preciso resgatar do esquecimento todas esta dimensões, trazer a lume todas estas realizações, dar voz a quantos, por esta razões, sofreram a solidão, a doença, o martírio e a própria morte”, afirmou.

Para D. Manuel Linda, o monumento a D. António Barroso deve constituir um desafio á Igreja na “oportunidade do reforço de um anúncio de esperança” e à sociedade civil e política, resgatando a “amnésia” em relação ao trabalho missionário, nomeadamente do voluntariado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.