|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Sporting

​Madeira Rodrigues: “Varandas está quase a ser corrido ao pontapé”

18 out, 2019 - 12:45

Ex-candidato à presidência do Sporting defende anúncio imediato da marcação de eleições para o final da época para dar tranquilidade ao clube e à equipa de futebol

A+ / A-

Pedro Madeira Rodrigues considera insustentável a atual situação do Sporting e preconiza medidas para acalmar a tensão agravada com a derrota da noite passada em Alverca para a Taça de Portugal.

“O Sporting precisa de olhar para o futuro com muita atenção e Frederico Varandas tem de dar o sinal. O que disse sobre ele, tal como já tinha dito sobre Bruno de Carvalho, veio a verificar-se. O poder não pode cair na rua porque há o risco premente de aparecer um novo Bruno de Carvalho. Em minha opinião, Varandas deveria dizer desde já que vai convocar eleições para o final da época. As pessoas terão tempo de se preparar, o próprio Varandas pode recandidatar-se, mas uma decisão desta natureza irá dar calma à equipa de futebol porque a esta está a levar por tabela a contestação”, refere o ex-candidato á presidência do Sporting, em entrevista a Bola Branca.

O momento do Sporting agravou-se com a derrota para a Taça de Portugal com uma equipa do terceiro escalão, o Alverca, e Pedro Madeira Rodrigues entende que a marcação de eleições para o final da época é a solução para acalmar a tensão. “Está quase no momento em que Frederico Varandas vai ser expulso ao pontapé. Esta semana poderia ser o momento para anunciar as eleições no final da época e com essa medida, dar descanso aos jogadores que estão sob uma pressão enorme”, argumenta.

Venda da maioria da SAD

Pedro Madeira Rodrigues perante o atual momento do Sporting tem ideias para alterar o rumo do emblema leonino.

“Evitar o cenário da venda da maioria da SAD seria possível se Varandas fosse competente, mas mostrou que não é. A solução nesta altura passa pela venda da maioria da SAD, mas não pode ser a qualquer um. Marcar eleições para o final da época dá tempo para as pessoas procurarem um projeto claro que respeite a nossa identidade e tradição. Alguém que tenha capacidade de investimento e que ajude a trazer para o Sporting uma coisa que há muito perdemos, uma cultura de vitória e exigência”, sustenta.

Olhando para o discurso do atual presidente do Sporting, há mais de um ano, em período eleitoral, Pedro Madeira Rodrigues recupera um tema que continua a considerar uma desvantagem para Frederico Varandas.

“Quando Varandas dizia nas eleições que era uma vantagem estar dentro do Sporting, não era verdade. Quem viveu neste caldo dos últimos anos em que se perdeu a exigência, o rigor e o profissionalismo, desaprendeu”, conclui.

Tiro no pé de Jorge Silas

Ontem, após a derrota com o Alverca, Jorge Silas fez críticas para o balneário, e apontou a Bruno Fernandes, referindo que a equipa leonina não precisa de heróis. “Silas deu um autêntico tiro no pé ao criticar um homem que tem levado a equipa às costas nos últimos anos. Um discurso inaceitável que não pode ter caído bem no balneário”, considera Pedro Madeira Rodrigues.

Ainda sobre as exibições da equipa do Sporting desde que Silas assumiu o comando técnico, o ex-candidato à presidência do Sporting é muito crítico.

“Nota-se um total desnorte dentro de campo. Os jogadores não sabem o que estão a fazer. O jogo com os austríacos foi o pior que vi em muitos anos de Sporting. Total ausência de conteúdo tático. Foi assustador o que vi. Ontem, Silas dá um autêntico tiro no pé ao criticar um homem que tem levado a equipa ás costas nos últimos anos. Um discurso inaceitável que não pode ter caído bem no balneário", remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.