|
Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade. Às terças e quintas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Mais milhões para a Web Summit - 17/10/2019
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Mais milhões para a Web Summit - 17/10/2019

F. Medina

​Milhões para a Web Summit são “exclusivamente verbas da taxa turística”

17 out, 2019 • Redação


Acordo para garantir a Web Summit em Portugal prevê a realização de obras de alargamento da FIL, mas as obras ainda não estão concluídas.

O presidente da Câmara de Lisboa e comentador da Renascença, Fernando Medina, garante que os 4,7 milhões de euros a mais que a cidade de Lisboa vai ter de pagar para manter a Web Summit em Portugal vêm exclusivamente da taxa turística.

“Este investimento que estamos a fazer na Web Summit é de grande importância para a cidade e para o país, é feito com exclusivamente com verbas da taxa turística”, garante.

O acordo assinado com o fundador da Web Summit para manter o evento em Portugal até 2028 previa a realização de obras de alargamento da FIL. Uma vez que essas obras ainda não estão concluídas, os 4,7 milhões que agora vão ser gastos é para financiar uma alternativa ao alargamento do espaço expositivo.

Já o professor universitário João Taborda da Gama concorda com o investimento feito.

“Manifestações como esta são importantes para a cidade. É importante dotarmos a cidade de infraestruturas para atrair outras manifestações como estas”, diz Taborda da Gama.

“Eu prefiro sempre o pais da Web Summit ao país em que os votos demoram duas semanas a chegar”, remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.