Tempo
|
A+ / A-

Catalunha. Supremo espanhol condena independentistas e dá 13 anos de cadeia a Oriol Junqueras

14 out, 2019 - 08:30

Sentenças de 9 a 13 anos de cadeia para os presos políticos independentistas da Catalunha, que são condenados por crime de sedição e desvio de fundos públicos, uma decisão que afasta o crime de rebelião defendido pelo Ministério Público, que tinha penas de prisão maiores.

A+ / A-

O ex-vice-presidente do governo da Catalunha, Oriol Junqueras, foi esta segunda-feira condenado a 13 anos de prisão pelos crimes de sedição e peculato.

O Supremo Tribunal espanhol impôs sentenças de 9 a 13 anos de cadeia aos diversos dirigentes políticos envolvidos no referendo para a independência da Catalunha.

Os independentistas são na sua maioria condenados por crime de sedição e desvio de fundos públicos, uma decisão que afasta o crime de rebelião defendido pelo Ministério Público, que tinha penas de prisão maiores.

Os ex-conselheiros da Generalitat Raul Romeva, Jordi Turull e Dolors Bassa foram condenados por sedição e peculato a 12 anos de prisão, enquanto os também ex-conselheiros Joaquim Forn e Josep Rull foram absolvidos do crime de peculato, pelo que receberam a condenação de 10 anos e seis meses.

Carme Forcadell, ex-presidente do Parlamento, foi condenada a 11 anos e seis meses por um crime de sedição, crime pelo qual Jordi Sanchez e Jordi Cuixart são codenados a nove anos.

Os únicos três ex-conselheiros da Generalitat julgados em liberdade - Santi Villa, Meritxell Borràs e Carles Mundó - foram condenados a 10 meses de multa.

O governo de Madrid enviou, nos últimos dias, centenas de agentes para garantir a segurança em Barcelona, por temer as consequências para a ordem pública da já esperada condenação dos líderes políticos independentistas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.