A+ / A-

Baterias íon-lítio valem Nobel da Química a três cientistas

09 out, 2019 - 10:57 • Sofia Freitas Moreira

John B. Goodenough, M. Stanley Whittingham e Akira Yoshino são os três vencedores do prémio Nobel da Química 2019. Aos 97 anos, John B. Goodenough marca assim a história dos prémios Nobel ao ser o mais velho galardoado de sempre.
A+ / A-

O prémio Nobel da Química 2019 foi atribuído, esta quarta-feira de manhã, a John B. Goodenough, M. Stanley Whittingham e Akira Yoshino, pelo desenvolvimento de baterias íon-lítio de peso-leve.

"As baterias íon-lítio revolucionaram as nossas vidas e são usadas em tudo, desde telemóveis a computadores portáteis e veículos elétricos", disse o Comité do prémio Nobel após o anúncio dos galardoados. "Através do seu trabalho, os laureados da Química deste ano estabeleceram os alicerces de uma sociedade sem fios e sem combustíveis fósseis."

John B. Goodenough nasceu em Jena, na Alemanha, em 1922 e trabalha com a Universidade do Texas, em Austin, nos Estados Unidos. Com 97 anos, Goodenough é o galardoado mais velho da história dos prémios Nobel até à data.

M. Stanley Whittingham é natural de Nottingham, no Reino Unido, onde nasceu em 1941. Formado em Oxford, é professor na Universidade de Binghamton, em Nova Iorque.

O japonês Akira Yoshino nasceu em 1948 e desenvole trabalho com a Asahi Kasei Corporation, em Tóquio, e com a Universidade de Meijo, em Nagoya, Japão.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.