A+ / A-
1932-2019

Morreu a economista Manuela Silva

08 out, 2019 - 07:35 • Redação com Lusa

Investigadora e professora do ISEG, Manuela Silva destacou-se como estudiosa da temática da pobreza. Foi defensora de causas nas questões de justiça, da paz, do desenvolvimento e da espiritualidade cristã.
A+ / A-

A economista Manuela Silva morreu esta segunda-feira.

Manuela Silva foi uma das personalidades a dinamizar estudos sobre a realidade da pobreza em Portugal, tendo também sido membro do Graal, movimento internacional de mulheres católicas, na década de sessenta, e presidente do Movimento Internacional dos Intelectuais Católicos/Pax Romana (1983-87), da Juventude Universitária Católica Feminina (1954-1957) e da Comissão Nacional Justiça e Paz, da Igreja Católica (2006-08).

Em 1990, criou a Fundação Betânia, um "centro apostólico de acolhimento e formação".

Investigadora e professora catedrática no Instituto Superior de Economia e Gestão entre 1970 e 1991, Manuela Silva foi defensora de causas nas questões de justiça, da paz, do desenvolvimento e da espiritualidade cristã. Foi agraciada com a Grã-Cruz do Infante D. Henrique em 2000

Secretária de Estado para o Planeamento no I Governo Constitucional (1976-77) após a implantação da democracia, em 1974, trabalhou em vários grupos de trabalho no âmbito da Comissão Europeia e do Conselho da Europa e presidiu à assembleia geral do Cesis - Centro de Estudos para a Intervenção Social.

O funeral de Manuela Silva é na quarta-feira, com missa de corpo presente, na Igreja da Ressurreição, em Cascais, onde decorre o velório.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.