Tempo
|
A+ / A-

Kristalina Georgieva

​Nova líder do FMI alerta para abrandamento sincronizado da economia global

08 out, 2019 - 16:27 • Sandra Afonso

Segundo Kristalina Georgieva​,o crescimento em 2019 "vai cair para a taxa mais baixa desde o início da década”.

A+ / A-

No primeiro discurso como nova directora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva anuncia a revisão em baixa das previsões de crescimento, para este ano e o próximo.

Georgieva não tem dúvidas: a economia está a travar. “Hoje, a economia mundial está mais sincronizada. No entanto, em 2019 esperamos uma desaceleração em cerca de 90% do mundo. Por outras palavras, a economia global está agora num abrandamento sincronizado.”

Segundo Kristalina Georgieva, isto significa que “o crescimento, este ano, vai cair para a taxa mais baixa desde o início da década”. Por isso, as estimativas vão ser revistas em baixa, já na próxima edição do World Economic Outlook, prevista para 15 de outubro.

Atualmente, o FMI prevê um crescimento de 3,2% em 2019 e de 3,5% em 2020.

Tal como avisou esta terça-feira o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, também Georgieva avisou que os juros negativos são um risco para a economia. “Pensem, por exemplo, nos fundos de pensões e nas empresas de seguros de saúde, que estão a fazer investimentos mais arriscados para atingirem os seus objetivos de retorno”, explicou.

A nova líder do FMI sublinha ainda a “necessidade de cooperação internacional”, numa altura em que continuam a evoluir os confrontos comerciais, com destaque para os Estados Unidos, China e, agora, a União Europeia.

Georgina lembra que “toda a gente perde" numa guerra comercial. "Para a economia global, o efeito cumulativo dos conflitos comerciais poderá significar uma perda de 700 mil milhões de dólares até 2020, ou 0,8% do PIB, aproximadamente o tamanho da economia da Suíça”, explicou.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.