A+ / A-

PSD. Luís Menezes aponta Rui Rio como o principal responsável pelo desaire

07 out, 2019 - 09:55

O PSD de Rio teve o pior resultado em legislativas deste século.

A+ / A-

O PSD obteve o pior resultado dois últimos 36 anos e já se ouvem críticas a Rui Rio. Luís Menezes, ex-vice-presidente da bancada social-democrata, considera que a estratégia da atual liderança falhou.

“O que aconteceu no partido nos últimos tempos foi grave: a escolha das listas foi sectária, houve um jogo de amiguismos que tanto foi dito que não iria haver. Estes resultados mostram que seria possível ganhar ao PS e a António Costa”, acusa.
Por isso, o que “esteve errado durante este período todo, infelizmente, foi a estratégia da atual liderança e deste PSD”, sublinha.
Na sua opinião, agora é tempo de uma mudança à frente do partido e candidatos não faltam.

No domingo, Rui Rio disse que o PSD é "a única" força política "suficientemente grande e capaz para apresentar um alternativa sólida para governar Portugal". Reconhecendo que "o PSD não atingiu o seu principal objetivo", apontou "as circunstâncias" em que o partido disputou estas eleições legislativas, aludindo a um "enquadramento muito difícil por razões externas e internas".

O PSD de Rui Rio obteve no domingo o pior resultado do partido em legislativas dos últimos vinte anos, mas apenas em percentagem, já que conseguiu eleger mais deputados do que Pedro Santana Lopes em 2005.

Quando estão apuradas todas as freguesias do território nacional, os sociais-democratas obtiveram 27,9% dos votos, correspondentes a 77 deputados (e mais de 1,4 milhões de votos) - ainda faltam atribuir os quatro mandatos da emigração -, e ficou a nove pontos percentuais do PS.

O resultado deste domingo ficará como o quarto pior do PSD em eleições para o parlamento, abaixo de dois alcançados já este século: o de Santana Lopes em 2005 (28,77%, 1,6 milhões de votos e 75 deputados, já com a composição atual de 230 parlamentares) e de Manuela Ferreira Leite em 2009 (29,11%, 1,6 milhões de votos e 81 deputados).

Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.