Tempo
|
A+ / A-

MP ponderou ouvir Marcelo e Costa sobre Tancos. Diretor do DCIAP recusou

01 out, 2019 - 19:36 • Redação

Morais Pinto concluiu que as "inquirições não revestiam relevância para as finalidades do inquérito nem tão pouco se perfilavam como imprescindíveis para o apuramento dos crimes".

A+ / A-

O Ministério Público ponderou chamar o Presidente da República e o primeiro-ministro a depor como testemunhas no caso do roubo das armas de Tancos, revelou esta terça-feira a Procuradoria-Geral da República, em comunicado

A possibilidade foi ponderada “na fase final do inquérito” e o diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), Albano Morais Pinto, foi “inteirado pelos magistrados titulares do aludido inquérito sobre as razões que justificariam a realização de tais diligências, aferida à luz dos elementos de prova até então recolhidos”.

Morais Pinto concluiu, no entanto, perante os “elementos constantes dos autos”, que “tais inquirições não revestiam relevância para as finalidades do inquérito nem tão pouco se perfilavam como imprescindíveis para o apuramento dos crimes objeto de investigação, dos seus agentes e da sua responsabilidade”.

O diretor do DCIAP decidiu por isso negativamente, “ponderada também a data limite para o encerramento do inquérito”, o que “mereceu a anuência dos magistrados titulares”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.