|
A+ / A-

Iniciativa Liberal rejeita subvenção de campanha caso eleja deputados

02 out, 2019 - 16:05

A IL considera "uma imoralidade que o Estado português tenha reservado mais de oito milhões de euros para pagar campanhas dos partidos políticos numa altura em que falta material básico nos hospitais e temos a maior carga fiscal de sempre”.

A+ / A-

A Iniciativa Liberal (IL) anunciou, esta quarta-feira, que vai abdicar da subvenção pública de campanha, caso eleja um deputado à Assembleia da República, considerando ser “uma imoralidade” gastar “mais de oito milhões de euros em campanhas”.

“É uma imoralidade que o Estado português tenha reservado mais de oito milhões de euros para pagar campanhas dos partidos políticos numa altura em que falta material básico nos hospitais e temos a maior carga fiscal de sempre”, acusou Carlos Guimarães Pinto, líder da Iniciativa Liberal.

O partido, em comunicado, refere que, segundo algumas sondagens, poderá eleger um deputado e assim ter direito a mais de 200 mil euros de subvenção de campanha.

De acordo com Carlos Guimarães Pinto, a IL é o único partido até hoje a anunciar que irá rejeitar a subvenção de campanha.

“O roubo ao contribuinte é tão descarado que só há um caminho possível: não aceitar receber um euro de subvenção de campanha e lutar por mudar a lei. Por isso, se viermos a eleger um deputado e, portanto, pudermos beneficiar de uma parte desses oito milhões, iremos rejeitar esse privilégio injustificado”, frisou.

Carlos Guimarães Pinto assegurou que, enquanto for presidente do partido, não aceitará “um euro de subvenção de campanha".

A Iniciativa Liberal já tinha tomado uma posição semelhante em relação à subvenção pública de campanha nas eleições europeias.

No programa eleitoral, a IL propõe uma redução substancial das verbas destinadas à subvenção pública de campanha e também uma alteração no tipo de despesas que essa subvenção pode pagar.

Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.