|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Tancos. Exército reabre averiguações internas para apurar infrações disciplinares

01 out, 2019 - 17:41 • Agência Lusa

Processo visa o “apuramento de indícios da prática de infração disciplinar e identificação dos seus autores”.

A+ / A-

O Exército vai reabrir o processo de averiguações interno na sequência do despacho do Ministério Público que acusa 23 arguidos no caso do furto e reaparecimento do material furtado em Tancos, disse à Lusa fonte do ramo esta terça-feira.

Numa resposta escrita a perguntas da Lusa, a porta-voz do ramo, major Elisabete Silva, adiantou que, aquando da constituição de militares do Exército como arguidos, foi determinada a instauração de um processo de averiguações.

O processo visou o “apuramento de indícios da prática de infração disciplinar e identificação dos seus autores”.

No âmbito desse processo, foram realizadas as “diligências probatórias que então se mostravam possíveis” e “foi determinada a suspensão desse processo até que fosse proferido despacho final no inquérito”, o que ocorreu no passado dia 25.

Face ao despacho final do Ministério Público, “vai ser reaberto o processo de averiguações e, no caso de se concluir que existem indícios de infração disciplinar, à luz do disposto no Regulamento de Disciplina Militar, serão instaurados os consequentes processos disciplinares”, disse.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    01 out, 2019 19:46
    Agostinho de Hipona (354-430) disse que: «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um grande bando de ladrões». Apesar de tudo, parece que ainda temos boas razões para confiar na Justiça Portuguesa… Mas teremos mesmo?