A+ / A-

PDR, de Pardal Henriques, chumba aeroporto do Montijo

26 set, 2019 - 03:31 • Redação

Partido Democrático Republicano defende a construção de uma aeroporto em Alcochete, com uma "sustentabilidade para mais de 50 anos" e capaz de fazer concorrência a Madrid.

A+ / A-

O Partido Democrático Republicano (PDR), liderado por Marinho Pinto, é contra o aeroporto do Montijo e vai promover uma recolha de assinaturas para o tentar impedir.

Bruno Fialho, o cabeça de lista do PDR por Setúbal, diz que a solução é fazer o aeroporto em Alcochete.

“Se forem ver as mais de mil propostas que o site governamental tem, todas elas são contra o aeroporto no Montijo e a maior parte a favor do aeroporto em Alcochete. E porquê? Porque é o único capaz de rivalizar com o aeroporto de Madrid. Alcochete é o um aeroporto com uma sustentabilidade para mais de 50 anos, ao contrário do Montijo que são para apenas oito anos.”

Bruno Fialho falava numa conferência de imprensa na sede do PDR em que também participou Pedro Pardal Henriques, o cabeça de lista do partido por Lisboa.

O antigo rosto da luta dos motoristas de matérias perigosas estabeleceu a meta de 60 mil assinaturas para impedir o aeroporto do Montijo.

Também foi Pardal Henriques a estabelecer a meta do partido para as eleições legislativas de 6 de outubro.

“Nós estamos bastantes confiantes na eleição de, pelo menos, dois deputados. Se não existisse o boicote à nossa campanha, o boicote das televisões que têm acompanhado diariamente os partidos com assento parlamentar, nós conseguiríamos eleger ainda mais deputados”, declarou o advogado.

Em declarações aos jornalistas, Pardal Henriques diz que o PDR está confiante, porque “os portugueses já perceberam que somos a única alternativa que existe para defender os trabalhadores dentro da Assembleia da República”.

Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.