|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Tancos. Jerónimo não tem "nenhuma razão para suspeitar" da palavra do Presidente

25 set, 2019 - 12:08 • Cristina Nascimento com Redação

"Recentemente, o senhor Presidente afirmava que era preciso fazer as averiguações e o apuramento dos factos todos. Portanto, faça-se esse apuramento dos factos e, com certeza, encontraremos a resposta", diz o líder do PCP.

A+ / A-

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, diz que não tem nenhum moitvo para pôr em causa a palavra do Presidente da República sobre o caso de Tancos.

"Eu ouvi declarações do Presidente da República a afirmar claramente que nada tem a ver com qualquer situação menos clara. É a palavra do Presidente, não tenho nenhuma razão para suspeitar", declarou o líder dos comunistas, esta quarta-feira, durante uma ação de campanha da CDU, em Viana do Castelo.

"Recentemente, o senhor Presidente afirmava que era preciso fazer as averiguações e o apuramento dos factos todos. Portanto, faça-se esse apuramento dos factos e, com certeza, encontraremos a resposta", acrescentou.

"Por enquanto, vale a palavra do Presidente e vale essa necessidade de apuramento dos factos", rematou o secretário-geral do PCP.

Na terça-feira, em Nova Iorque, o Presidente da República reiterou nunca ter sido informado, por qualquer meio, sobre o alegado encobrimento na recuperação das armas furtadas de Tancos, e sublinhou que "é bom que fique claro" que "não é criminoso".

"Espero que seja a última vez que falo sobre a matéria, até porque se aguarda a todo o momento a acusação, no caso de ela existir, e o que haja a investigar contra quem quer que seja, sem qualquer limitação, seja investigado", afirmou.

A TVI noticiou nesse dia que o major da PJ Militar Vasco Brazão se referiu, numa escuta telefónica, ao Presidente da República, como o "papagaio-mor do reino", que, segundo ele, sabia de tudo.

Em declarações à TVI, o advogado de Vasco Brazão, Ricardo Sá Fernandes, afirmou que tal afirmação "não teve em mente atingir o Sr. Presidente da República".

"De resto, o meu representado não tem conhecimento que o sr. Presidente da República estivesse a par dos factos relativos ao achamento do material de guerra furtado em Tancos", disse Ricardo Sá Fernandes, àquela televisão.

O furto de armas de guerra nos paióis de Tancos foi divulgado em 29 de junho de 2017.

Um dos arguidos do processo é o ex-ministro da Defesa Nacional José Azeredo Lopes, que está proibido de contactar com os outros arguidos, com o seu ex-chefe de gabinete e com o antigo chefe de Estado Maior do Exército, general Rovisco Duarte.

Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.