A+ / A-

​António Costa está a analisar parecer da PGR sobre incompatibilidades com familiares

19 set, 2019 - 22:08 • Redação com Lusa

"Estamos a ler, a apreciar e depois falaremos amanhã [sexta-feira]", limitou-se a dizer o primeiro-ministro à chegada a Leiria, para uma ação de pré-campanha para as legislativas de 6 de outubro.
A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, confirmou esta quinta-feira, em Leiria, que já recebeu o parecer que tinha pedido sobre incompatibilidades entre governantes e familiares em negócios com o Estado e afirmou que o documento está a ser analisado.

"Estamos a ler, a apreciar e depois falaremos amanhã", limitou-se a dizer António Costa à chegada a Leiria, onde vai discursar esta noite como secretário-geral do PS, num comício do cabeça-de-lista socialista por Leiria às eleições legislativas, Raul Castro.

A Procuradoria-Geral da República já tinha confirmado à Renascença que o Conselho Consultivo entregou no gabinete do primeiro-ministro o parecer que António Costa tinha pedido sobre incompatibilidades entre governantes e familiares em negócios com o Estado.

"O parecer foi transmitido à entidade consulente, o gabinete do primeiro-ministro. A entidade competente para decidir sobre a divulgação é a que solicitou o parecer, sendo que a Procuradoria-Geral da República nada tem a opor a essa divulgação", refere a PGR.

Após polémica na comunicação social sobre negócios entre governantes e empresas de familiares, António Costa pediu, a 30 de julho passado, um parecer ao Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República para "completo esclarecimento" sobre os impedimentos de empresas em que familiares de titulares de cargos políticos tenham participação superior a 10% do capital.

Na altura, o comunicado do gabinete do primeiro-ministro, que não citava o caso que envolvia o então secretário de Estado da Proteção Civil, referia que estava a ser difundida "uma interpretação das normas sobre impedimentos de empresas em que familiares de titulares de cargos políticos e altos cargos públicos tenham participação superior a 10% do capital, que ultrapassa largamente, no seu âmbito e consequências, o que tem sido a prática corrente ao longo dos anos".

"Contudo, para completo esclarecimento desta questão, o primeiro-ministro decidiu solicitar um parecer ao Conselho Consultivo da PGR, o que hoje mesmo fez", referia o comunicado.

Segundo o mesmo texto, "tanto quanto foi possível apurar, não há jurisprudência sobre a matéria, nem até aquela altura terá sido movido com este fundamento qualquer processo de demissão ou perda de mandato".

Na perspetiva do Governo, "não pode deixar de suscitar dúvidas como alguém possa ser responsabilizado, ética ou legalmente, por atos de entidades sobre as quais não detém qualquer poder de controlo e que entre si contratam nos termos das regras de contratação pública, sem que neles tenha tido a menor intervenção".

De acordo com a página do Ministério Público, a Procuradoria-Geral da República exerce funções consultivas por intermédio do seu Conselho Consultivo, "órgão colegial formado pelo Procurador-Geral da República (que preside) e por nove vogais", recrutados de entre procuradores-gerais-adjuntos, magistrados judiciais e do Ministério Público e outros juristas que o requeiram.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.