|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Universidades do Porto, Algarve e Aveiro não vão eliminar carne de vaca nas cantinas

18 set, 2019 - 12:56 • Redação

Instituições dizem que desconheciam decisão anunciada esta semana pela Universidade de Coimbra.

A+ / A-

As Universidades do Porto, do Algarve e de Aveiro não vão seguir a medida da Universidade de Coimbra (UC), que na terça-feira anunciou que vai deixar de servir carne de vaca nas cantinas universitárias a partir de 2020, com o objetivo de se tornar neutra em carbono.

Ainda assim, as três instituições públicas de ensino confirmam que têm em curso outras ações para diminuir a sua pegada ecológica. Todas dizem que desconheciam a decisão da UC até ao anúncio.

Em declarações à Renascença esta quarta-feira, Paulo Ferreira, reitor da Universidade de Aveiro, considera que "qualquer instituição tem de se preocupar com a sustentabilidade e a redução da pegada ecológica".

Sobre o tema alimentar, a Universidade de Aveiro destaca a seleção dos produtores, "uma medida que tem de ser tomada e que temos tomado", sublinha o reitor. "Produtores diferentes têm práticas diferentes e, naturalmente, isso também influencia bastante a pegada ecológica e a sustentabilidade".

A Universidade do Porto não descarta a possibilidade de, no futuro, seguir a pisada da UC, mas Raul Santos, diretor de comunicação desta universidade, confessa à Renascença que diminuir as refeições de carne e introduzir refeições vegetarianas terá como base uma lógica de promover uma alimentação mais saudável e não tanto por preocupações ambientais.

Já a Universidade do Algarve sublinha que já eliminou a 100% o plástico nas cantinas, segundo informações de Lara Alves, assessora de imprensa da instituição.

Todas as universidades se recusaram a comentar a medida da Universidade de Coimbra, que já está a angariar críticas das associações portuguesas de bovinicultores.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    18 set, 2019 Trofa 15:52
    "Eliminar", isto é que é democracia, não esta de acordo, tira-se tudo, os outros que se lixem. é o que temos do PAN e do BE, os outros que se lixem