|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Rússia

Explosão em laboratório que armazena vírus do ébola e varicela

17 set, 2019 - 14:38 • Redação

Centro de investigação e agência russa de proteção do consumidor garantem que incidente não acarreta riscos.

A+ / A-

Um laboratório na Sibéria onde estão armazenadas estirpes do ébola e de varicela foi alvo de uma explosão seguida de um incêndio, causando ferimentos num funcionário.

Citado pela agência estatal russa Tass, o Centro Vector de Investigação de Virologia e Biotecnologia, localizado em Koltsovo, na região de Novosibirsk, anunciou na segunda-feira que na origem da explosão esteve um incidente com um tanque de gás durante reparações numa sala de inspeções sanitárias.

Tanto o Vector como a agência russa de proteção do consumidor e o autarca de Koltsovo garantiram imediatamente que as substâncias de risco biológico não estavam armazenadas no local específico onde se deu a explosão e que o incidente não representa quaisquer riscos para a comunidade local.

"Nenhum trabalho com materiais biológicos estava a ser executado no edifício", garantiu o laboratório num comunicado divulgado na internet.

O Vector é um de apenas dois laboratórios do mundo onde estão armazenadas amostras vivas do vírus da varicela, a par do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, em Atlanta, no estado da Georgia.

No início deste ano, o laboratório russo também completou os primeiros ensaios para desenvolver uma vacina contra o Ébola, vírus que, em 2004, provocou a morte de um investigador do Vector que se picou acidentalmente com uma agulha infetada.

Numa inspeção em 2016, a Organização Mundial de Saúde (OMS) apurou que o centro de investigação científica respeita todos os padrões de biossegurança, embora tenha apontado algumas áreas que "podem ser melhoradas".

Um ano após essa inspeção, o então diretor do Vector desapareceu misteriosamente após ter sido acusado de fraude. Décadas antes, no início dos anos 1990, um desertor do regime já tinha acusado a União Soviética de alojar estirpes de varicela no laboratório com o intuito de desenvolver armas biológicas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.