A+ / A-
Proteção Civil

Vespa asiática obriga a encerrar zona ocidental do Parque da Pena em Sintra

16 set, 2019 - 18:30 • Agência Lusa

O espaço deverá reabrir na quarta-feira.
A+ / A-

A zona ocidental do Parque da Pena, em Sintra, foi encerrada ao público depois de ter sido descoberto um ninho de vespas asiáticas, estando prevista a reabertura na quarta-feira, anunciou esta segunda-feira a empresa que gere o espaço.

Em comunicado, a Parque de Sintra – Monte da Lua (PSML) explica que a decisão de encerrar a zona ocidental do Parque da Pena, em que se incluiu o Chalet da Condessa d’Edla, surgiu depois de terem sido contactados os serviços de Proteção Civil da Câmara Municipal de Sintra, no distrito de Lisboa.

A nota acrescenta que os serviços de Proteção Civil “vão proceder à eliminação do ninho de vespa asiática”, prevendo-se que o espaço possa reabrir ao público na manhã de quarta-feira.

Na época da primavera, as vespas asiáticas constroem ninhos de grandes dimensões, preferencialmente em pontos altos e isolados, sendo os principais efeitos da presença desta espécie sentidos na apicultura - por se tratar de uma espécie carnívora e predadora das abelhas - e na saúde pública.

Não sendo mais agressivas do que a espécie europeia, no caso de sentirem os ninhos ameaçados as vespas asiáticas reagem de modo bastante agressivo e podem fazer perseguições até algumas centenas de metros.

A destruição dos ninhos deve ser feita com equipamento de proteção e seguindo as orientações constantes no plano de ação, nunca se devendo usar armas de fogo (de caça), mesmo no caso de difícil acesso aos ninhos, pois este método só provoca a destruição parcial do ninho e contribui para a dispersão e disseminação da vespa asiática por constituição de novos ninhos.

Na ausência ou perda da rainha, esta espécie tem a capacidade de as obreiras se transformarem em fêmeas fundadoras e construírem novos ninhos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.