A+ / A-

André Silva na Madeira. “O voto útil é no PAN”

15 set, 2019 - 13:47 • Olímpia Mairos , enviada da Renascença à Madeira

O partido das Pessoas Animais e Natureza quer retirar a maioria absoluta ao PSD no arquipélago e defende incentivos especiais para uma agricultura sustentável e biológica.
A+ / A-

No Mercado do Estreito de Câmara de Lobos, André Silva, o líder do PAN, acompanha o cabeça de lista do partido à eleições regionais, distribui panfletos e apela ao voto.

“Bom dia. Posso-lhe entregar um panfleto do PAN? Já conhece o partido? E o que acha do nosso trabalho?”, pergunta André Silva a uma vendedora do mercado, que opta por não responder.

Maria acabaria por dizer depois à Renascença que não gosta de se meter “em coisas da política” e que já sabe em quem vai votar.

O líder do PAN não esmorece no contacto com outros vendedores e, mesmo se muitos não estão interessados em conversar, afirma que, “acima de tudo, o importante é que as pessoas decidam o seu sentido de voto e possam exercer o seu direito de cidadania daqui a uma semana”.

André Silva considera, no entanto, que “a Madeira precisa de uma mudança e é o apelo que estamos a fazer”.

“E o voto útil faz-se em partidos como o PAN, porque não basta mudarmos de um partido para outro partido”, afirma André Silva, manifestando-se disponível “para contribuir para terminar o ciclo que existe de várias décadas e que tem asfixiado algumas matérias e algumas políticas”.

“Estamos disponíveis para apoiar uma outra possibilidade que seja alternativa”, diz o líder do PAN.

No arquipélago da Madeira o líder do PAN defende é preciso “direcionar meios, fundos, fazer investimento público em serviços essenciais de qualidade e, nomeadamente, na agricultura, para transitar de uma agricultura menos impactante e menos intensiva para uma agricultura mais biológica”.

“Queremos recuperar o centro de compostagem da Meia Serra, desativado há uns anos, para permitir ter fertilizantes adequados sem agrotóxicos, para fazermos uma agricultura mais saudável e mais regenerativa”, exemplifica.

O líder do partido das Pessoas Animais e Natureza entende também que “é importante caminhar para uma transição energética, estimulando a auto produção para que as pessoas possam produzir a sua própria energia”, e defende “incentivos e benefícios fiscais para que as pessoas o possam fazer”.

Já no que toca aos apoios públicos, sejam eles regionais, comunitários ou nacionais, André Silva considera que “devem caminhar no sentido de apoiar modelos económicos e modelos de negócio cada vez mais sustentáveis, mais amigos do ambiente”.

O líder do PAN, em campanha, este domingo, na Madeira, considera ainda que “é importante também apostar noutros serviços públicos, nomeadamente em mais residências para os idosos”, através da criação de “uma rede regional pública”.

As eleições regionais legislativas da Madeira decorrem em 22 de setembro, com 16 partidos e uma coligação a disputar os 47 lugares no parlamento regional.

PDR, CHEGA, PNR, BE, PS, PAN, Aliança, Partido da Terra-MPT, PCTP/MRPP, PPD/PSD, Iniciativa Liberal, PTP, PURP, CDS-PP, CDU (PCP/PEV), JPP e RIR são as 17 candidaturas validadas para estas eleições, com um círculo único.

Nas regionais de 2015, os sociais-democratas seguraram a maioria absoluta, com que sempre governaram a Madeira, por um deputado, com 24 dos 47 parlamentares.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • manuel ferraz
    16 set, 2019 12:31
    Este do Pan ao dizer que queria um SNS para animais acabou por dizer tudo ! Causou um grande reboliço no galinheiro. Agora as aves também querem um SNS. Por isso o PAN que peça ajuda á Comunidade Europeia porque Portugal não tem dinheiro para um sistema nacional de saúde quanto mais para mais dois. Coitados quando não sabem o que dizem fazem cada promessa.......são políticos.