A+ / A-

Ministra da Saúde contraria OMS. “Provavelmente, nunca se investiu tanto em saúde pública”

11 set, 2019 - 18:19 • Redação

Marta Temido contesta relatório da relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS).
A+ / A-

Nunca se investiu tanto em saúde como agora, garante a ministra da Saúde, Marta Temido, em resposta a um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS).

As contas da OMS concluem que Portugal foi um dos quatro países da Europa em que a percentagem de despesa em saúde pública diminuiu, entre 2000 e 2017.

Em declarações aos jornalistas, numa visita ao Bairro da Jamaica, no Seixal, a ministra da Saúde assegura que estes números são inferiores ao que é gasto, porque não foram contabilizadas todas as despesas dos hospitais e centros de saúde.

“Estamos a fazer do que aquilo que os números revelam e temos interesse em sublinhar esse esforço. Provavelmente, nunca tanto como nestes anos mais recentes se investiu em saúde pública”, declarou Marta Temido.

Portugal surge como um dos únicos quatro países da região europeia em que a percentagem da despesa em saúde pública se reduziu entre 2000 e 2017, segundo um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado esta terça-feira.

No documento sobre o acesso equitativo à saúde, a OMS analisa 33 países e concluiu que em 15 a despesa em saúde pública aumentou entre 2000 e 2017 e noutros 14 se manteve dentro dos mesmos níveis.

Apenas quatro países da região europeia registaram uma redução na despesa em termos percentuais do seu produto interno bruto: Portugal, Irlanda, Hungria e Israel.

A OMS recorda que alocar maiores recursos à saúde pública pode ajudar a reduzir a falta de equidade no acesso.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    12 set, 2019 Trofa 11:09
    É preciso ter lata, é uma fraca ministra, esta a ganhar o seu tacho, é por isso que o sistema de saúde esta como está, pessoas como esta, não fazem falta