Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Uma escolha feliz

28 ago, 2019 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A indicação da socialista Elisa Ferreira para comissária europeia foi aplaudida por gente de outras áreas políticas. Compreende-se, pois é uma boa escolha na perspetiva do interesse nacional.

Há dias circulou em alguns órgãos da comunicação social a informação de que o primeiro-ministro teria indicado uma pasta económica e financeira na Comissão Europeia para Elisa Ferreira. Como Portugal já tem o presidente do Eurogrupo, M. Centeno, esta indicação levaria a que o comissário português fosse o outro nome apontado à presidente da futura Comissão, Pedro Marques. Sempre teria sido este nome o preferido por A. Costa, dizia-se.

Afinal, fomos ontem oficialmente informados de que Elisa Ferreira será a comissária portuguesa, em pasta ainda a determinar. Não sei se o tal esquema um tanto maquiavélico para colocar Pedro Marques na Comissão Europeia existiu ou não. Mas não tenho dúvidas de que Elisa Ferreira é a escolha acertada.

Escolha de quem? Teoricamente, do primeiro-ministro português. Claro que A. Costa concordou… com a decisão de Ursula von der Leyen. O eurodeputado socialista Carlos Zorrinho disse ontem que a escolha final de Elisa Ferreira para comissária europeia foi feita pela própria presidente da Comissão. Ela falou com os dois candidatos portugueses e, pelos vistos, apercebeu-se das diferenças entre eles. É um bom sinal da capacidade de Ursula para avaliar pessoas.

Pedro Marques era um estreante no meio comunitário. E a sua prestação como ministro das Infraestruturas não deixou saudades. Pelo contrário, Elisa Ferreira tem um currículo brilhante no plano político (duas vezes ministra), académico, financeiro (é vice-governadora do Banco de Portugal) e sobretudo europeu. Durante 12 anos foi deputada no Parlamento Europeu, tendo-se ali envolvido em várias tarefas de responsabilidade. Além disso, conhece o mundo empresarial português, sobretudo o do Norte do país.

Não admira, assim, que a nomeação desta militante socialista para a Comissão Europeia tenha sido saudada com satisfação e elogios por parte de pessoas de outras áreas políticas, como Paulo Rangel, Miguel Cadilhe, Rui Rio ou Carlos Moedas, o ainda comissário português. E também de Marisa Matias, eurodeputada do BE. Satisfação e elogios justificados porque se trata, de facto, de uma feliz escolha do ponto de vista do interesse nacional.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.