A+ / A-
Protesto

Santana Lopes ocupa ERC e quer televisão para ter "pelo menos 5% no Parlamento”

27 ago, 2019 - 18:28 • João Pedro Barros

Partido queixa-se de falta de representatividade na comunicação social e ocupou pacificamente a sede da entidade de regulação do setor. Santana Lopes pede pelo menos “um quinto” da presença nos média dos grandes partidos.
A+ / A-

“Não somos ‘ocupas’ nem revolucionários”, começou por esclarecer Pedro Santana Lopes à Renascença. Porém, cerca de 40 militantes do partido deslocaram-se na tarde desta terça-feira à sede da Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC), em Lisboa, para exigir uma posição do organismo sobre a presença nos média dos pequenos partidos na campanha para as legislativas de 6 de outubro.

“Como sabe tem saído notícias sobre debates entre partidos que já estão na Assembleia. Mas então e os outros? Nas europeias ainda se disse que vai haver dois debates no cabo. Desta vez nada, nem se fala nisso! É um estado de direito condicionado”, queixou-se.

Para o presidente do Aliança, “são as televisões, na prática, que escolhem os parlamentos”. “Se tivermos televisão duas ou três vezes por semana garanto que temos pelo menos 5%”, declarou Santana Lopes, que deu o exemplo da cobertura mediática do percurso que o primeiro-ministro António Costa está a fazer pela Estrada Nacional 2.

“Estou na sétima semana de roteiros temáticos. Não apareceu uma televisão durante estas semana todas. Rádios algumas, poucas. O senhor primeiro-ministro nem deve ter tempo para receber as visitas de órgãos de comunicação social. Não pedimos um tempo igual aos maiores, mas uma regra: um terço, um quarto, um quinto”, exclamou.

“Estatização excessiva”, diz Santana

O Aliança diz ainda não ter sido notificado da decisão sobre uma queixa apresentada acerca da cobertura das eleições europeias e garante ter sido encaminhado pela Comissão Nacional de Eleições e pelo Presidente da República para a ERC. No entanto, saíram da sede do organismo com a promessa de que vão ser “notificados muito rapidamente” sobre esse assunto.

Santana Lopes assegura ainda que o equilíbrio da informação em Portugal é posto em causa por ação do Governo e ameaça com queixas às instâncias internacionais: “Temos uma estatização excessiva. Temos de lutar pela liberdade, um Portugal livre. E também quisemos cá vir antes de protestarmos junto de entidades internacionais e expor o que se passa. Vamos para o Parlamento Europeu, para o Conselho da Europa, para organizações internacionais de jornalistas. Porque o mundo tem de saber o que se passa em Portugal”.


legislativas 2019 promosite
Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.