Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Vergonhas nacionais

22 ago, 2019 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Reina o caos em inúmeros serviços públicos - e não apenas na saúde. Centenas de pessoas passam quase toda à noite à porta desses serviços e frequentemente nem assim conseguem ser atendidos.

Esta semana os juízes queixaram-se das péssimas condições físicas em que trabalham, praticamente em todas as comarcas do país. É mais um exemplo de como a redução ou mesmo a eliminação do défice orçamental foram sobretudo conseguidas cortando despesas do Estado que deveriam ter sido feitas. Na saúde, na justiça e em muitos outros setores.

Só que não houve reformas - os parceiros da extrema-esquerda jamais o permitiriam. Houve, sim, inúmeros anúncios propagandísticos de que, em breve, iriam ser ultrapassados os problemas da falta de recursos humanos e financeiros que entravam o funcionamento de numerosos organismos e serviços públicos.

Na sua esmagadora maioria, esses anúncios nada adiantaram. Por isso, ao longo desta semana a Renascença, através do seu jornalista João Cunha, deu a conhecer uma série impressionante de casos de péssimo funcionamento de serviços do Estado em Lisboa. É bem possível que noutras localidades do país aconteçam coisas parecidas.

Multiplicam-se as pessoas que vão às 2 horas da madrugada esperar na rua onde se situa o IMT - Instituto de Mobilidade e de Transportes, de Lisboa e Vale do Tejo, para resolver problemas relacionados com automóveis. Frequentemente, quando muitas dessas pessoas conseguem entrar no IMT é tarde demais: já não há senhas, volte amanhã.

Também em Lisboa, na Loja do Cidadão das Laranjeiras, passam-se coisas parecidas. E na Conservatória dos Registos Centrais de Lisboa o drama é ainda maior, pois envolve imigrantes - que às vezes falam mal a nossa língua e sobretudo não votam e, por isso, podem ser maltratados sem problemas eleitorais. Nos últimos doze meses duplicaram as queixas contra o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Há casos escandalosos, como o de um imigrante que teve de ir de Lisboa ao Funchal para resolver um problema de papéis. Vários imigrantes são mandados para repartições muito longe de Lisboa. Ou, ainda, há emigrantes que são aconselhados em consulados portugueses no estrangeiro a virem a Portugal tratar das suas questões - e aqui lhes dizem, afinal, que não, que têm de regressar ao local onde vivem...

E não há internet para resolver alguns problemas à distância? Haverá, mas muitos portugueses e estrangeiros imigrantes não sabem trabalhar com a informática. Não podem, por isso, ser menorizados.

Decerto que os funcionários dos serviços onde falta muita gente não são culpados destas lamentáveis situações. Responsável é o governo, que não disponibiliza os meios para os serviços funcionarem.

Enfim, vergonhas indignas de um país europeu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Adelino Dias Santos
    22 ago, 2019 Mealhada 16:03
    O tão apregoado e louvado "Simplex" é, afinal, Complex. O mesmo me sucedeu na época de Natal e passagem de ano. Tendo comprado um aparelho que nunca funcionou em minha casa, tive de recorrer à garantia por duas vezes, no espaço de 15 dias após a compra. Como à 2ª vez me exigiram o pagamento de 39€ e eu não paguei, até porque já não confiava na empresa e aparelho, o mesmo foi retido e nunca mo enviaram. Recorri aos chamados Serviços de Apoio ao Consumidor, em Lisboa, que me mandaram para Braga e estes para o Porto. No Porto disseram, por sua vez, que só eram gratuítos para os residentes no Porto. Os restantes teriam de pagar para serem atendidos. Na verdade só somos todos iguais para pagar. E continuo à espera do aparelho que comprei e paguei a 11 de Dezembro de 2018 em Lourosa, Santa Maria da Feira.