|
A+ / A-

Greve dos motoristas

PSD questiona Governo sobre uso de militares "em substituição de grevistas"

18 ago, 2019 - 17:15 • Lusa

Em pergunta enviada através do presidente da Assembleia da República, deputado Pedro Roque aponta para inexistência de "qualquer Declaração do Estado de Sítio ou do Estado de Emergência" que justifique "o emprego de militares das Forças Armadas".

A+ / A-

O PSD questionou este domingo o Governo sobre o emprego de militares das Forças Armadas "em substituição de grevistas" na distribuição de combustíveis, no âmbito da greve dos motoristas de transportes de matérias perigosas, que decorre há sete dias.

"Têm os senhores primeiro-ministro e ministro da Defesa um conhecimento, distinto da generalidade dos portugueses, de uma eventual Declaração do Estado de Sítio ou do Estado de Emergência, nos termos constitucionais e legais, que justifiquem o emprego de militares das Forças Armadas em substituição dos grevistas na distribuição de combustíveis?", questiona o deputado Pedro Roque.

Na pergunta enviada através do presidente da Assembleia da República, o também coordenador do Grupo Parlamentar do PSD na Comissão de Defesa Nacional frisa que, "não existindo qualquer Declaração do Estado de Sítio ou do Estado de Emergência", como é que António Costa e João Gomes Cravinho "justificam o emprego de militares das Forças Armadas na substituição de grevistas?".

Pedro Roque diz que "não se põe em causa a necessidade" dos serviços mínimos decretados pelo Governo "nem tão pouco se pretende entrar no debate se houve ou não excessos na sua determinação, bem como na requisição civil subsequente".

"Porém, o emprego de militares das Forças Armadas já parece de muito duvidosa legitimidade, tendo em conta o facto de a Constituição da República Portuguesa ser taxativa quanto ao papel a desempenhar pelas Forças Armadas e que é necessariamente diferente das forças de segurança", vinca o deputado do PSD.

Pedro Roque entende que, "apesar de estarem fortemente interligados os conceitos de 'Segurança' e de 'Defesa', merecem clara destrinça no quadro constitucional". De acordo com o artigo 275.º da Constituição da República, "às Forças Armadas incumbe a defesa militar da República" e, de acordo com o artigo 273.º, "contra ameaças externas", recorda.

"Ora, deste preceito constitucional resulta que, o emprego das Forças Armadas no plano interno, em complemento das forças de segurança, só é possível com a declaração dos Estados de Sítio e de Emergência mas que 'só podem ser declarados nos casos de agressão efetiva ou iminente por forças estrangeiras, de grave ameaça ou perturbação da ordem constitucional democrática ou de calamidade pública' (Art. 1.º da Lei n.º 44/86 de 30 de Setembro). Nenhuma destas situações parece manifestamente existir entre nós", defende o deputado do PSD.

A greve dos motoristas de matérias perigosas está este domingo no seu sétimo dia, com as atenções voltadas para um plenário de trabalhadores, a decorrer esta tarde e que deverá decidir sobre a continuidade da paralisação.

O plenário decorre desde as 16h00 na freguesia de Aveiras de Cima, concelho de Azambuja, distrito de Lisboa, depois de ter falhado um acordo mediado pelo Governo numa reunião que durou cerca de 10 horas e que terminou na madrugada de sábado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    18 ago, 2019 Lisboa 21:49
    Acho que também temos uma questão para o PSD, e que é, por onde andaram durante a greve? É que por aqui só dava Governo e Pardal, PSD nada ... É assim que se apresentam como alternativa ao PS e com soluções para serem Governo? Desaparecendo durante as crises e só dando a cara quando o clamor é demasiado evidente?