A+ / A-

33 menores mudaram de género ao abrigo da chamada "lei de autodeterminação"

14 ago, 2019 - 10:27 • Redação

Em agosto do ano passado, transgéneros maiores de 16 anos passaram a poder mudar de sexo. Fizeram-no 11 em 2018 e 22 já durante o corrente ano.
A+ / A-

22 jovens, com idades entre os 16 e os 18 anos, formalizaram a transição de género durante este ano, juntando-se aos restantes 11 que o fizeram em 2018, desde que a nova lei entrou em vigor.

A partir de agosto do ano passado, foi possível a transgéneros maiores de 16 anos mudarem de sexo.

De acordo com dados do JN, 135 pessoas mudaram de género este ano, 46 passaram a ser mulheres e 89 foram mulheres que agora são homens. Regista-se, assim, um aumento de casos relativamente ao ano anterior.

Em 2018, até à data da entrada em vigor da nova lei, 103 tinham mudado de nome e género no cartão de cidadão. Na restante metade do ano, mais 101 fizeram a transição. Este ano, até ao dia 12 de agosto, 135 já o fizeram.

A lei de autodeterminação de género e proteção das características sexuais foi aprovada no Parlamento em julho de 2018, entrando em vigor a 8 de agosto.

Atualmente, já existe um guia para centros de saúde e hospitais, resultado de uma colaboração entre as associações LGBTI e a Direção-Geral da Saúde.

O guia lançado há um mês reúne recomendações aos profissionais, desde a rede de referenciação, à não classificação da transexualidade como doença.

À data da aprovação da lei, também se previa o lançamento de um guia para estabelecimentos de ensino.

Ainda não foi concretizado, mas já existem escolas que autorizam a utilização do nome com que os jovens se identificam nos testes e pautas e o uso de casas de banho e balneários consoante a identificação sexual das pessoas.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Auxiliadora
    14 ago, 2019 Céu 12:23
    Crianças, a ideologia de gênero está a fortalecer-se entre os jovens. Crianças e jovens estão sendo doutrinados em muitas escolas com esta doutrina da impureza. As crianças são ensinadas de que gênero não existe, que pode ser-se masculino e feminino ao mesmo tempo, ou vice-versa quando se trata de mulheres. Isto está a levar os jovens a terem atitudes e comportamentos de parentalidade que vão contra a sua sexualidade. Homossexualidade, lesbianismo, transexualismo e todas as outras aberrações sexuais é o que pretendem os promotores dessa doutrina implantar na juventude. Muitos jovens já se confundem com sua sexualidade e adotam comportamentos contrários ao seu sexo. Sociedades andróginas estão-se configurando. Todo isto meus pequenos é obra do maligno que quere implantar na infância e na juventude, a doutrina da impureza sexual, de modo que no futuro desaparecer a relação do homem e da mulher unidos pelo vínculo do matrimónio. Eu faço um apelo urgente para toda a humanidade, sem distinção de credo, raça ou religião, para não permitir que os seus governantes não imponham ás suas nações a chamada ideologia de género, porque esta é a doutrina demoníaca, que procura destruir a família composta pelo homem, pela mulher e pelos filhos. O objetivo da ideologia de gênero é criar uniões homossexuais e lésbicas que vão contra as leis morais e divinas. Novamente vos digo meus filhos, nenhuma relação entre pares do mesmo sexo, são aceites pelo céu.