A+ / A-
Greve dos motoristas

“Não devemos prejudicar os outros”, diz camionista que denuncia intervenção da GNR

12 ago, 2019 - 14:32 • Liliana Monteiro

António Brás conta à Renascença que se deparou com militares da GNR a conduzir um camião na manhã desta segunda-feira, primeiro dia da greve dos motoristas de matérias perigosas.
A+ / A-

Veja também:


A percorrer as estradas internacionais há 30 anos ao volante de um camião, António Brás diz à Renascença que compreende a realização da atual greve, mas também concorda que é preciso haver limites.

“Reivindicações todos nós temos, mas temos que ter consciência para não prejudicar os outros”, considera. “Temos de reivindicar os nossos interesses, mas temos de olhar para terceiros”, reforça.

“Concordo com esta greve”, prossegue, reconhecendo que tem “perdido muitos nestes últimos 30 anos de atividade. Era capaz de apoiar e entrar nesta greve”, resume.

António Brás chegou esta segunda-feira de Espanha para fazer um carregamento a Lisboa. Nas declarações à Renascença, relata que, à passagem por Aveiras, se deparou com militares da GNR a conduzir um camião.

“Vinha a passar em frente à refinaria de Aveiras, onde existe uma empresa de transporte de combustíveis, e fui barrado pela GNR para dois camiões passarem para as traseiras dessa refinaria, por onde estão a entrar, e onde iam dois GNR: um a conduzir e outro do lado do pendura”, descreve, contrariando o que o primeiro-ministro tinha dito ao final da manhã sobre a intervenção das forças de segurança.

No país vizinho, este camionista assistiu a algumas filas para abastecer na sequência da greve em Portugal.

“Nesta altura, os emigrantes e turistas estão a aproveitar para abastecer antes de entrar em Portugal. Tem sido assim toda a semana e nós, camiões, também atestamos antes de entrar em Portugal. Desde Vilar Formoso até Viseu já não havia gasóleo desde sexta-feira à tarde e em alguns sítios desde sábado de manhã”, revela ainda.

A greve dos camionistas de matérias perigosas e dos camionistas de mercadorias teve início às zero horas desta segunda-feira, 12 de agosto, e não data para terminar.

A convocação partiu do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas e do Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), a que se associou o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN).

O Governo decretou serviços mínimos entre 50% e 100% e declarou crise energética, o que implica "medidas excecionais" para minimizar os efeitos da paralisação e a garantia de abastecimento de serviços essenciais como forças de segurança e emergência médica.

Esta manhã, o primeiro-ministro elogiou o cumprimento dos serviços mínimos, mas o Sindicato dos Matérias Perigosas acusa os patrões de estarem a obrigar camionistas a trabalhar, mesmo quando não estão escalados.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • lv
    13 ago, 2019 Loures 08:56
    Essa é de mestre,“Não devemos prejudicar os outros”, Então quem é que os carroceiros estão a prejudicar?!