Tempo
|
A+ / A-

Greve dos motoristas

Portugueses podem “deixar de se identificar com a luta” dos motoristas, alerta Marcelo

06 ago, 2019 - 16:33 • João Pedro Barros

Presidente apela às negociações entre Governo, sindicatos e patrões e avisa os motoristas de que os “sacrifícios” exigidos à população podem ser “excessivos”.

A+ / A-

Marcelo Rebelo de Sousa ressalvou desde o início que estava a generalizar e não a falar do caso concreto da greve dos motoristas, mas, como o próprio referiu em declarações aos jornalistas esta terça-feira, “toda a gente percebe” o que foi dito: o Presidente da República considera que o melhor caminho para evitar uma crise é que os dois sindicatos que fizeram pré-aviso de greve para esta segunda-feira voltem para a mesa das negociações.

“A ida para a greve deve ter presente que importa como ela é vista. Uma coisa é uma greve vista contra os patrões, outra uma greve contra os patrões, o Estado e um número grande de portugueses", afirmou o chefe de Estado. "Se de repente a sociedade portuguesa se sentir refém da luta, deixa de se identificar com a luta. E aqueles que prosseguem fins legítimos e justos passam a ter contra si não o patronato ou o Estado mas a generalidade ou um número elevado de portugueses.”

Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de se mostrar conhecedor da luta dos motoristas, relembrando a viagem Lisboa-Porto que fez a bordo de um camião. “Houve uma série de queixas a que prestei atenção e fiquei sensibilizado para a questão das cargas-descargas e das condições laborais, fins de semana e limites de idade”, ressalvou. Mas, para a luta ser eficaz, não basta que as reivindicações sejam “legítimas”.

“Isso obriga a uma ponderação permanente entre o que se quer realizar e os sacrifícios impostos a outros membros da comunidade. Todas as greves impõem sacrifícios, o problema está na ponderação”, notou.

Apesar de se refugiar numa hipotética generalização, o Presidente da República foi até bem específico quando se referiu a uma "outra organização sindical" que está a “obter vantagens” com uma negociação: neste caso, a FECTRANS, sindicato afecto à CGTP e que não participa na greve.

“Em geral, quem promove lutas laborais deve sempre procurar o melhor meio para chegar ao objetivo. E até ser esgotado, esse meio deve ser o diálogo, mediação ou tentativa de uma convergência de ponto de vista”, sublinhou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Olha o afectos
    06 ago, 2019 Afetuoso da silva 18:38
    Isso quer dizer que agora para os Portugueses não se "sentirem feridos", tem de deixar de haver greves? É que quando se faz greve, é para prejudicar mais alguém, do que os que fazem greve - esses já são castigados com a perda de salário do tempo que fizerem greve. Se agora porque uma greve vai prejudicar alguém, não pode ser feita, que tal ilegalizar a greve? Até já houve aí um governante a falar em modificar a Lei da Greve - mandado calar e a desdizer-se de imediato, que o Costa viu o que ia acontecendo ao Passos Coelho quando deixou escapar pequenos trechos duma hipotética Revisão Constitucional fachistóide, que o fizeram cair a pique nas sondagens, e o Costa ainda acha que consegue chegar à Maioria Absoluta. Não deixemos as coisas por metade: em vez de alterar a Lei da Greve, proíba-se pura e simplesmente não só a greve como o direito de constituir sindicatos e aí teremos o Paraíso ... para um determinado tipo de Patronato e seus comentadores arregimentados.