A+ / A-

Papa convida a rezar pelas famílias em agosto

01 ago, 2019 - 16:43 • Ecclesia

Francisco pede vida de amor e de oração que seja “laboratório de humanização”
A+ / A-

O Papa convidou as comunidades católicas de todo o mundo a rezar pelas famílias, durante o mês de agosto, para que sejam “laboratórios de humanização”.

“Rezemos para que as famílias, graças a uma vida de oração e a uma vida de amor, se tornem cada vez mais laboratórios de humanização”, refere Francisco, na nova edição de “O Vídeo do Papa”, divulgada através das redes sociais pela Rede Mundial de Oração do Papa.

Apostar no diálogo, viver experiências em conjunto, aprender a acolher-se e perdoar-se mutuamente são os desafios propostos pelo Papa às famílias.

“Que mundo queremos deixar para o futuro? Deixemos um mundo com famílias, cuidemos das famílias, porque elas são verdadeiras escolas do amanhã. São espaços de liberdade, são centros de humanidade”, declara.

Francisco convida a reservar tempo, em família, “para a oração pessoal e comunitária”.

O padre jesuíta Frédéric Fornos, diretor internacional da Rede Mundial de Oração do Papa, sublinha em comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA que é “nas famílias, com as suas alegrias e feridas, êxitos e deceções, que primeiro se aprende a amar e a deixar-se amar”.

O “Vídeo do Papa” é uma iniciativa mensal que divulga as intenções de oração pelos “desafios da humanidade e a missão da Igreja”, realizado pela Rede Mundial de Oração do Papa (RMOP), produzido pela La Machi – Comunicação para Boas Causas, com o apoio da RMOP – Portugal.

A RMOP é um serviço pontifício confiado à Companhia de Jesus que congrega cerca de 35 milhões de pessoas em todo o mundo.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.