|
A+ / A-

Restabelecida a normalidade no serviço da Soflusa

23 jul, 2019 - 19:24 • Filomena Barros , com Redação

Em nota divulgada no site da empresa, a Soflusa "agradece a compreensão dos seus passageiros pelas dificuldades vividas nas últimas semanas".

A+ / A-

A Soflusa, empresa de transporte fluvial entre o Barreiro e Lisboa, informou esta terça-feira que já está restabelecida a normalidade do serviço e que não estão previstas supressões para quarta-feira. O aviso foi divulgado no site da empresa, no qual se refere que “está restabelecida a normalidade do serviço de transporte” e que na quarta-feira “não estão previstas quaisquer perturbações de serviço”.

A ligação fluvial entre o Barreiro, no distrito de Setúbal, e o Terreiro do Paço, em Lisboa, volta, assim, a funcionar nos horários previstos, depois de um mês de várias supressões devido ao conflito com os mestres, que iniciaram greve ao trabalho extraordinário no dia 6 de julho.

A resolução do conflito foi possível na segunda-feira, depois de uma reunião entre a administração e os sindicatos representativos dos trabalhadores, que aceitaram uma nova proposta de valorização salarial, comprometendo-se a levantar a greve se os trabalhadores aprovarem a decisão. Segundo Alexandre Delgado, do Sindicato da Mestrança e Marinhagem da Marinha Mercante, Energia e Fogueiros de Terra (SITEMAQ), a partir de agosto todos os trabalhadores receberão um aumento de 28 euros, enquanto o atual subsídio de chefia dos mestres (49,44 euros) será integrado no salário base desta categoria.

Apesar de aceite por todas as estruturas sindicais, este acordo ainda terá que ser ratificado pelos trabalhadores até 31 de julho, o que, segundo a Soflusa, ainda não aconteceu.

O conflito iniciou-se em junho, quando os mestres da Soflusa recusaram o trabalho extraordinário, exigindo que fosse respeitado o acordo celebrado a 31 de maio, de aumento do prémio de chefia em cerca de 60 euros, que dizem ter sido, entretanto, “suspenso”. Esta decisão de aumento do prémio dos mestres levou a que outras categorias profissionais na empresa também avançassem com pré-avisos de greve, alegando que a subida causaria “desarmonia salarial”.

O SITEMAQ tinha convocada uma greve para 18 de junho, mas, na véspera, foi suspensa devido à subscrição de um protocolo negocial entre a administração da empresa e os sindicados, com o Sindicato dos Transportes Fluviais, Costeiros e da Marinha Mercante (STFCMM) a ser o único que não assinou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.