A+ / A-
Vila Nova de Gaia

Talho faz publicidade com mulher em biquíni. Movimento faz queixa, empresa desculpa-se

16 jul, 2019 - 12:23 • Lusa

Movimento Democrático de Mulheres (MDM) diz-se farto de ver o corpo da mulher servir "para vender todo o tipo de produtos" e diz que anúncio em causa "ajuda a manter estereótipos de género, a disseminar e a naturalizar o desrespeito pelas mulheres enquanto seres humanos".
A+ / A-

O Movimento Democrático de Mulheres queixou-se esta terça-feira à Comissão para a Igualdade de Género por causa da publicidade de uma empresa do Norte do país que escolheu promover a venda de carne de vitela recorrendo à imagem de uma mulher.

No texto da queixa, a que a Lusa teve acesso, o Movimento Democrático de Mulheres (MDM) diz-se farto de ver o corpo da mulher a servir, "subliminar ou explicitamente, para vender todo o tipo de produtos, num mercado que tem interesse em vender e que sabe que assim assegura melhor esse objetivo".

A publicidade em causa é do Grupo Carnes Sá da Bandeira, de Vila Nova de Gaia, que anuncia a venda de carne de vitela branca para assar, bem como de coxas de frango, associando essas carnes à imagem de uma mulher em biquíni na praia. O grupo já veio, entretanto, pedir desculpa pelo "mal-entendido".

"Dirão alguns que 'o mal está nos olhos de quem o vê'. Outros, talvez, que as imagens não estarão associadas ao produto, mas sim à estação do ano", escreve o MDM no texto da queixa, sublinhando: "É tempo de dizer que as mulheres não são mercadoria, não são produtos vendáveis, nem podem os seus corpos ser usados como tal."

O MDM diz que a prática é "vexatória [...] e ajuda a manter estereótipos de género, a disseminar e a naturalizar o desrespeito pelas mulheres enquanto seres humanos, desrespeito esse que incita à submissão, ao escárnio e à própria violência contra as mulheres".

"Este tipo de publicidade viola claramente o Código da Publicidade, que no seu artigo 7.º (princípio da licitude) proíbe a publicidade que, pela sua forma, objeto ou fim, ofenda os valores, princípios e instituições fundamentais constitucionalmente consagrados, bem como proíbe publicidade que atente contra a dignidade da pessoa humana e contenha qualquer discriminação em relação à raça, língua, território de origem, religião ou sexo", acrescenta.

Na queixa, o MDM pede a intervenção da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género junto das entidades competentes para a fiscalização e instrução de processos de contraordenação para que a publicidade em causa seja retirada e se apurem todas as responsabilidades e consequências.

Na sua página na rede social Facebook, a Carnes Sá da Bandeira publicou na segunda-feira um comunicado relativo ao que considerou ser um "mal-entendido", afirmando que, "à semelhança do ano anterior, foram elaborados cartazes alusivos ao verão cuja associação de imagens levou a interpretações que, de modo algum, ocorreram à empresa".

Pedindo desculpa pelo sucedido, a empresa garante que já retirou os cartazes em questão.

"Tendo como máxima que 'a nossa liberdade acaba quando começa a liberdade do outro', procedemos de imediato à remoção dos mesmos. Pedimos desculpa pelo sucedido, em momento algum tivemos intenção de ofender quem quer que fosse e de futuro tomaremos isto em atenção nas próximas campanhas publicitárias."

A Carnes Sá da Bandeira sublinha ainda estar no mercado há 30 anos "com respeito, consideração, deferência e muito apreço por todos os seus clientes, fornecedores e pessoas em geral".


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.