Tempo
|
A+ / A-

Parlamento vai avançar com queixa crime contra Fundação Berardo

02 jul, 2019 - 09:50 • Redação

Comissão parlamentar de inquérito à Caixa exige que lhe sejam cedidos os documentos pedidos. Associação Coleção Berardo diz não ser cliente da CGD.

A+ / A-

A comissão parlamentar de inquérito à Caixa vai avançar com uma queixa crime contra a Fundação Joe Berardo.

Os deputados acusam o empresário de estar a falhar com a entrega de documentos considerados essenciais, para apurar os empréstimos feitos junto do banco do Estado.

“São documentos importantes, relevantes para perceber uma coisa muito simples: porque é que a Caixa Geral de Depósitos não conseguiu executar, até à data, garantias que foram dadas para um empréstimo que foi concedido por este banco público”, explica à Renascença o deputado Luís leite Ramos, presidente daquela comissão parlamentar.

“Naturalmente que queremos perceber porque é que isso não aconteceu até agora”, acrescenta.

Segundo Luís Leite Ramos, a comissão parlamentar de inquérito pediu, “ao longo destas últimas semanas, vários documentos. Uma parte foi enviada, mas a parte do nosso ponto de vista mais substancial e mais relevante não chegou à comissão com o argumento de que a associação não era cliente da Caixa Geral de Depósitos”.

Por isso, a comissão “vai participar, via Assembleia da República, ao Ministério Público a desobediência que tem sido repetidamente cometida pela associação Coleção Berardo”, indica o mesmo deputado.

Há quase duas semanas, a comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos tinha deixado a ameaça de avançar com uma queixa ao Ministério Público, caso a associação Coleção Berardo não enviasse a documentação pedida.

Ontem, segunda-feira, o empresário madeirense escreveu uma carta aberta dirigida ao presidente da Assembleia da República, na qual rejeita ter ficado “com muitos milhões” dos portugueses e que já pagou, quase só em juros, cerca de 231 milhões de euros à banca, a “troco de nada”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • J M
    02 jul, 2019 Seixal 15:49
    Mas, o banco do estado não tem cópias autenticadas e legais, dos documentos importantes e relevantes que a Fundação Joe Berardo recusa entregar, considerados essenciais para apurar as condições em que foram feitos os empréstimos?
  • Filipe
    02 jul, 2019 évora 14:14
    Essas comissões são no tempo atual o mesmo que na Idade Média a fogueira .