RR
|
A+ / A-

“Não se trata só de migrantes. Trata-se também dos nossos medos”, avisa o Papa

27 mai, 2019 - 10:30 • Marta Grosso

Francisco chama a atenção para a “globalização da indiferença” e para os perigos “do declínio moral” que advém da “cultura do descarte”. Excertos da mensagem para a Jornada Mundial dos Refugiados e dos Migrantes, que a Renascença já leu e lhe dá a conhecer.

A+ / A-

“Quando nos interessamos [pelos migrantes], interessamo-nos também por nós, por todos; cuidando deles, todos crescemos; escutando-os, damos voz também àquela parte de nós mesmos que talvez mantenhamos escondida por não ser bem vista hoje”.

São palavras do Papa Francisco na Mensagem para a Jornada Mundial dos Refugiados e dos Migrantes 2019, conhecida nesta segunda-feira.

“Não se trata só de migrantes” é o título escolhido para o texto, no qual o Papa chama a atenção para a atitude que tantas vezes se toma face aos refugiados e que “constitui a campainha de alarme que avisa do declínio moral em que se incorre se se continuar a dar espaço à cultura do descarte”.

“As sociedades economicamente mais avançadas tendem, no seu seio, para um acentuado individualismo que, associado à mentalidade utilitarista e multiplicado pela rede mediática, gera a ‘globalização da indiferença’.

Neste cenário, os migrantes, os refugiados, os desalojados e as vítimas do tráfico de seres humanos aparecem como os sujeitos emblemáticos da exclusão, porque, além dos incómodos inerentes à sua condição, acabam muitas vezes alvo de juízos negativos que os consideram como causa dos males sociais.

Por este caminho, cada indivíduo que não enquadre nos cânones do bem-estar físico, psíquico e social fica em risco de marginalização e exclusão”, sublinha o Papa.

Mas há, nesta conjuntura, também uma oportunidade, destaca Francisco: “a presença dos migrantes e refugiados – como a das pessoas vulneráveis em geral – constitui hoje um convite a recuperar algumas dimensões essenciais da nossa existência cristã e da nossa humanidade, que correm o risco de entorpecimento num teor de vida rico de comodidades”.

E é por isso que “não se trata apenas de migrantes: trata-se também dos nossos medos”.

A Jornada Mundial dos Refugiados e dos Migrantes decorre no dia 29 de setembro.

Papa denuncia "ferida grande e grave" da indiferença perante refugiados e migrantes
Papa denuncia "ferida grande e grave" da indiferença perante refugiados e migrantes
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.