Tempo
|
A+ / A-

Hospital de Cascais. Bastonário dos Médicos quer investigação até às últimas consequências

14 mai, 2019 - 10:42 • Redação

“Não basta apontar recomendações”, diz Miguel Guimarães à Renascença. Reportagem da SIC denuncia alegado esquema para falsear avaliações na triagem de doentes para tempos máximos de espera não serem ultrapassados.

A+ / A-

O bastonário da Ordem dos Médicos defende uma investigação até às últimas consequências no caso da alegada falsificação de resultados clínicos no Hospital de Cascais.

“Isto tem de ser investigado e corrigido imediatamente. E as pessoas têm de começar a ser responsáveis pelo que fazem. A ser confirmado aquilo que ontem foi passado na reportagem, não basta depois apontar recomendações e medidas corretivas. Isso é pouco”, afirma Miguel Guimarães à Renascença.

De acordo com uma reportagem emitida pela SIC, o Hospital de Cascais terá montado um esquema para falsear as avaliações na triagem de urgência para, dessa forma, não serem ultrapassados os tempos máximos de espera.

“Até me custa a acreditar nestas coisas”, admite o bastonário, que considera a situação de extrema gravidade.

No mesmo sentido vão as declarações do presidente da Associação de Administradores Hospitalares, Alexandre Lourenço, que pede, para já, explicações ao hospital.

“É uma notícia surpreendente e merece uma avaliação cuidada por parte da administração do hospital, para explicar o que é que está a suceder e deixar que as autoridades, nomeadamente a Inspeção Geral de Atividades em Saúde e o Ministério da Saúde, façam auditorias”, defende em declarações à Renascença.

Na esperança de que as irregularidades não sejam praticadas noutros hospitais, Alexandre Lourenço lembra que as penalizações relativas aos tempos de espera “só existem ao nível das parcerias público-privadas, não ao nível dos hospitais-empresa ou hospitais do setor público administrativo - ou seja, com gestão direta do Estado”.

Contactada pela Renascença, fonte do Hospital de Cascais remete esclarecimentos para um comunicado que deverá ser divulgado ainda nesta terça-feira. A Renascença também pediu explicações ao Ministério da Saúde, que até ao momento não respondeu.

Veja aqui a reportagem da SIC Notícias.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    14 mai, 2019 Lisboa 17:10
    Deve querer é preparar a safa dos médicos que foram coniventes com a situação ...

Destaques V+