A+ / A-

Relatório conclui que houve quebra do dever de cooperação da PJ Militar em Tancos

02 mai, 2019 - 17:59 • Redação

Ministro da Defesa afirma que conclusões de relatório confidencial foram enviadas para a Procuradoria-Geral da República.
A+ / A-

Houve quebra do dever de cooperação da Polícia Judiciária Militar no caso do "achamento" das armas furtadas da base militar de Tancos, revelou esta quinta-feira o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, citando um relatório confidencial.

"A ação inspetiva foi feita com a urgência que eu tinha pedido e foi possível concluir que houve uma quebra do dever de cooperação por parte dos elementos da PJM no chamado achamento", afirmou João Gomes Cravinho, esta quinta-feira, no Parlamento.

De acordo com o ministro da Defesa, foram ocorreram "desvios em relação ao padrão de atuação da PJ Militar em situações de investigação criminal".

O relatório é confidencial e foi enviado para a Procuradoria-Geral da República, adianta João Gomes Cravinho.

O ministro da Defesa considera, no entanto, que a atuação da Polícia Judiciária Militar no caso de Tancos foi uma exceção.

Questionado sobre se alguma vez tinha percebido que o primeiro-ministro ou o Presidente da República tinham conhecimento de qualquer encenação no "achamento das armas", o ministro disse que nunca tinha falado com nenhum deles sobre o caso.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.