|
A+ / A-

Falta de água

Viseu avança com plano de combate à seca. "É bom que o Estado se prepare"

28 mar, 2019 - 10:12 • Liliana Carona

Sem chuva à vista, a autarquia de Viseu prepara um plano de contingência. Mas o presidente da Câmara alerta: “não estamos em condições de voltar a suportar o que suportámos há dois anos”.

A+ / A-

Viseu vai discutir um novo regulamento de tarifas que poderá fazer aumentar o preço da água em períodos de seca. O presidente da Câmara deixa um alerta ao Estado: “É bom que se prepare para apoiar as autarquias que passem novamente por esse estado de necessidade”.

Almeida Henriques revela à Renascença que a autarquia já está a preparar um plano de contingência e não esconde a sua preocupação.

“Preocupa e de que maneira. Viseu depende a 70% da barragem de Fagilde e o facto de não chover antecipa um verão como o de há dois anos, o que já me obrigou a criar um plano de contingência dentro do SMAS – Serviços Municipalizados de Água e Saneamento e até já estamos a avançar com a contratação de camiões cisterna”, avança, recordando que as obras realizadas em Fagilde não resolvem o problema.

“Fizemos uma obra, a ensecadeira, e quando a fecharmos temos uma capacidade de 1,5 milhão de metros cúbicos a mais do que tínhamos há dois anos. Mas se tivermos um verão muito seco, mesmo isso não vai ser suficiente”, explica ainda o autarca.

Almeida Henriques quer a ampliação da barragem de Fagilde, mas esse investimento só é possível com o apoio do Estado e de fundos comunitários.

“Continuamos à espera da luz verde do Governo. Era urgente que o Estado avançasse com a nova barragem de Fagilde, com o aumento da capacidade. E era imprescindível que se abrissem concursos ao nível de fundos comunitários. Até lá, as coisas não estão muito diferentes de há dois anos”, lamenta.

O autarca deixa, por isso, um alerta ao Governo: “não estamos em condições de voltar a suportar o que suportámos há dois anos”.

“A Câmara de Viseu, na altura, investiu mais de 600 mil euros para fazer face à seca, dos quais o Estado central só nos ressarciu 175 mil. Trazemos um défice de meio milhão de euros, o que não nos dá disponibilidade financeira para incorrer novamente numa despesa dessas. É bom que o Estado se prepare para apoiar as autarquias que passem novamente por esse estado de necessidade”, avisa.

Água mais cara em tempo de seca

O presidente da Câmara Municipal de Viseu preparara-se para aprovar novas medidas de sensibilização para a poupança de água.

“Um novo regulamento de tarifas vai estar em discussão pública. Vamos aprovar dentro de dias um novo regulamento de tarifas, onde prevemos a penalização do 3º e 4º escalão e vamos prever que em períodos de seca, possamos fazer agravamento do preço da água, porque numa fase de escassez de água, cada um tem que assumir comportamentos mais responsáveis”, defende.

Canteiros que gastam menos água, com espécies autóctones, é outra das medidas já implementadas em Viseu, porque o sol continua a brilhar, quase a fazer lembra o tempo de praia.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.