Tempo
|
A+ / A-

"Cabeçudo Costa" lidera protesto de milhares de professores

23 mar, 2019 - 16:14 • Susana Madureira Martins, com redação

Sindicatos convocaram uma nova manifestação nacional para 5 de outubro, para assinalar o fim da legislatura.

A+ / A-

Os sindicatos vão convocar uma manifestação nacional de professores para 5 de outubro, anunciou este sábado Mário Nogueira, da Federação Nacional de Professores (Fenprof).

O novo protesto está marcado para o Dia do Professor e destina-se a assinalar o fim da atual legislatura, disse Mário Nogueira.

O dirigente da Fenprof falava durante a manifestação deste sábado, em Lisboa, que junta milhares de professores.

O desfile é liderado por um boneco cabeçudo que pretende representar o primeiro-ministro António Costa, que traz ao peito o cartaz "Roubo 6,5 anos", o tempo de serviço congelado a esses profissionais.

A manifestação começou pelas 15h00 com a concentração na Praça Marques de Pombal e cerca de meia hora depois iniciou-se o percurso em direção à Praça do Comércio, de milhares de professores de todo o país, que exigem a contagem integral do tempo de serviço: nove anos, quatro meses e dois dias.

No início deste mês, o Governo aprovou um diploma que contabiliza menos de três anos de serviço, para efeitos de progressão na carreira.

O diploma já levou PCP, BE e PSD a anunciarem que vão apresentar uma apreciação parlamentar dentro de um mês.

Em declarações aos jornalistas, o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, apontou 16 de abril, dia da apreciação parlamentar do diploma, como um ponto crucial na luta dos professores.

O diploma do Governo que aprovou a contagem de dois anos, nove meses e 18 dias de serviço, é, segundo Mário Nogueira "um roubo aos professores".

O protesto deste sábado é organizado pelas dez estruturas sindicais, que durante mais de um ano tentaram negociar, sem êxito, a recuperação do tempo de serviço.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+