|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Ministra da Saúde pede a jovens médicos que fiquem no SNS

11 mar, 2019 - 14:33 • Agência Lusa

Cerca de 400 jovens serão “recém-especialistas a muito breve prazo”, refere Marta Temido.

A+ / A-

A ministra da Saúde, Marta Temido, apelou esta segunda-feira aos jovens médicos que irão a exame este ano para permanecerem no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e exercerem a sua especialidade nos hospitais públicos.

Falando durante a inauguração do novo centro de saúde de Odivelas, no distrito de Lisboa, a ministra afirmou que cerca de 400 jovens “irão brevemente” a exame, e serão “recém-especialistas a muito breve prazo”.

“O desafio que aqui deixamos é para todos eles, para permanecerem no Serviço Nacional de Saúde e para trabalharem para os utentes do Serviço Nacional de Saúde”, salientou.

Marta Temido disse que o Governo não desiste de atrair para o Serviço Nacional de Saúde, “para estas áreas, mais médicos de medicina geral e familiar, para além dos mais de 1.300” já captados ao longo da legislatura.

Na opinião da ministra, “reforço dos cuidados de saúde primários” faz-se “pelo desafio da construção de novos hospitais”, mas “sobretudo por unidades do tipo desta, pelos cuidados de proximidade, por maior funcionalidade, melhor eficiência e melhor qualidade”.

“Não se distraiam aqueles que pensam que tudo começa e acaba nos hospitais, aqueles que só visitam hospitais”, assinalou.

Apontando que, “se é certo que a reforma dos cuidados de saúde primários não é só instalações, é muito mais do que isso”, Marta Temido defendeu que “as instalações e a apetência que elas exercem sobre as equipas, sobre profissionais mais jovens, é determinante”.

“É por isso que o programa deste Governo apontou e afirmou muito claramente a aposta nos cuidados de saúde primários, e na modernização” destes cuidados de saúde, apontou Marta Temido.

Esta aposta vê-se “quer ao nível de instalações”, como a que foi hoje inaugurada, “quer em termos de organização”, frisou.

“É por isso que estamos prestes a concluir a instalação de 100 novas unidades de saúde familiar”, vincou a ministra.

Este é um trabalho que o Governo quer desenvolver com os órgãos municipais, e, por isso, “aposta na descentralização de competências na área da saúde com as autarquias”.

“Se há área onde é necessária essa colaboração é de facto a área da saúde”, advogou.

O novo centro de saúde de Odivelas foi hoje oficialmente inaugurado, representando um investimento de 1,4 milhões de euros, para servir 41.800 utentes, informou a autarquia.

Esta nova infraestrutura de saúde, situada na cidade de Odivelas, funciona desde o dia 27 de dezembro do ano passado, mas só foi inaugurada oficialmente hoje.

Também presente na inauguração, o primeiro-ministro recordou que, já quando foi eleito vereador na Câmara Municipal de Loures, em 1993, já este edifício era uma necessidade.

“Bem sei que é um privilégio terem reservado para mim a honra de o vir agora inaugurar, mas não era preciso tanto”, afirmou António Costa na inauguração.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    13 mar, 2019 Lisboa 12:41
    Caro Luis Afonso Antonio, acha que a UE ia nisso? Já esqueceu que a UE privilegia a livre circulação e que nós, demos uma data de tiros nos pés, ao tentar diluirmo-nos dentro dessa UE sem assegurarmos um minimo de soberania em assuntos como este? Agradeça aos que assinaram de cruz os Tratados de cedência de soberania que agora servem para nos lixar. E já agora, a todos os que no dia das Eleições, votam. como se fossem uma claque de futebol: "este é o meu partido e todos os outros não prestam" - mesmo que o "partido deles" os vá "enterrar" uma vez eleito.
  • Cidadao
    11 mar, 2019 Lisboa 18:08
    E tem dinheiro e condições de trabalho para eles, ou paga-lhes com bolotas e põe-lhes 10000 doentes à frente?
  • Luis Afonso Antonio
    11 mar, 2019 Ermesinde 15:11
    Senhora Ministra da Saúde Tem que fazer aos médicos aquilo que a Força Aérea fez aos pilotos recém formados, simplesmente obrigou-os a assinar um termo de fixação durante 20 anos. Durante esse tempo estes meninos bonitos não podem sair da F.A., Tem que acontecer o mesmo com os recém licenciados em medicina. Cada médico fica em media por cerca de €115000 mil euros a sua formação depois acabado de formar vai para um pais trabalhar onde esse pais não teve qualquer gasto na sua formação, isto para esse pais é só lucro isto é que vai aqui uma balda..não a travem não?