Tempo
|
A+ / A-

Violência doméstica

Suspeito de matar mulher em Vieira do Minho "disse que a agrediu, nunca disse que a matou”

07 mar, 2019 - 15:25 • Agência Lusa

“O meu cliente não assumiu, nem assume, a autoria do homicídio", diz advogado do alegado agressor.

A+ / A-

O advogado do homem suspeito de matar a mulher em Vieira do Minho disse esta quinta-feira que o seu cliente, quando se entregou na GNR, assumiu o crime de violência doméstica e não o de homicídio.

“O meu cliente não assumiu, nem assume, a autoria do homicídio. Quando se entregou na GNR, disse que agrediu a mulher, nunca disse que a matou”, referiu o advogado João Magalhães, à Lusa.

Uma mulher foi morta pelo marido na noite de quarta-feira em Vieira do Minho, distrito de Braga, e, segundo a GNR, o “suspeito” entregou-se às autoridades.

“Tratou-se de um homicídio de uma mulher num quadro de violência doméstica. O marido entregou-se às autoridades e está detido”, disse fonte da GNR.

À Lusa, o advogado João Magalhães disse que, quando o homem abandonou o local, a mulher ainda estaria viva.

Disse ainda que no local também se encontrava o alegado “amante” da vítima, tendo sido este quem deu o alerta às autoridades.

“O que aconteceu no local após a saída do meu cliente, não sabemos”, acrescentou.

Segundo João Magalhães, o marido, na noite de quarta-feira, terá tido uma discussão com a vítima, acusando-a de infidelidade.

“A mulher ainda terá tentado tirar-lhe uma avultada quantia em dinheiro que ele tinha no bolso da camisa, houve zaragata, agressões, estaladas, após o que o meu cliente abandonou a casa”, acrescentou.

O homem apresentou-se nas autoridades e acabou detido pela Polícia Judiciária de Braga, que está a investigar o caso.

O detido deverá ser levado a tribunal na sexta-feira, para primeiro interrogatório judicial e aplicação das respetivas medidas de coação.

O casal esteve emigrado duas décadas em Inglaterra, mas voltou a Portugal em 2017, abrindo em Vieira do Minho uma unidade de alojamento local e um restaurante.

Segundo a fonte da GNR, esta força não tem nos seus registos qualquer histórico em relação ao casal, ambos na casa dos 40 anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.