|
A+ / A-

Rede de Oração do Papa alerta para o drama da violência doméstica

06 mar, 2019 - 07:22 • Ecclesia

Projeto propõe aos católicos que tenham em conta nas suas intenções pessoais, durante esta Quaresma, as vítimas de dramas como “a violência doméstica” e a “exclusão social”.

A+ / A-

A Rede Mundial de Oração do Papa em Portugal lança esta quarta-feira a iniciativa intitulada ‘Rostos da Quaresma’, que desafia à “oração diária por pessoas e causas concretas”.

Este projeto propõe às comunidades católicas que tenham em conta nas suas intenções pessoais, durante esta Quaresma, todas as pessoas que são atualmente vítimas de dramas como “a violência doméstica” e a “exclusão social”.

A iniciativa chama ainda a atenção para a situação dos “refugiados”, dos “cristãos perseguidos”, para os problemas da “família”, para os “doentes” e para os desafios que afligem os “cuidadores informais”, aqueles que cuidam de familiares ou de outras pessoas mais dependentes.

Para os responsáveis da Rede Mundial de Oração do Papa em Portugal, a Quaresma deve ser antes de mais “um tempo especial de conversão que se exprime no amor aos outros”, mas também “um processo de conversão interior, perante situações tão evidentes e tantas vezes ignoradas nos ocupados dias de cada um”.

Até 20 de abril, a campanha ‘Rostos da Quaresma’ vai ganhar forma, através da página da Rede Mundial de Oração do Papa em Portugal, também através das redes sociais e da newsletter daquele organismo, com a apresentação diária de “uma imagem referente a pessoas e/ou causas, uma frase do Papa Francisco e uma oração”, para que as pessoas tenham em conta as situações dramáticas que muitas pessoas e comunidades atravessam no mundo.

Para receberem os materiais e participarem nesta campanha, os interessados só têm de inscrever-se na página da iniciativa e assim receberem, no seu email, as propostas e reflexões diárias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.