|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

Francisco Assis-João Taborda da Gama
Um eurodeputado e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver em Lisboa olham para os principais temas da atualidade. Às terças e quintas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Francisco Assis e João Taborda da Gama - 03/01/2019
Francisco Assis e João Taborda da Gama - 03/01/2019

​J. Taborda da Gama

Professores e enfermeiros. Centeno “abre uma porta para algo diferente”

03 jan, 2019


Comentadores da Renascença analisaram entrevista do ministro das Finanças na qual garantiu que resposta às exigências dos professores será robusta.

O professor universitário João Taborda da gama considera que o ministro das Finanças, Mário Centeno, mostrou disponibilidade para chegar a acordo sobre as reivindicações dos professores e enfermeiros.

Taborda da Gama comentou esta quinta-feira de manhã a entrevista concedida por Mário Centeno à RTP, na qual reafirmou uma postura de responsabilidade em matéria de contas públicas, mas abriu “uma porta para algo diferente do que o Governo já pôs em cima da mesa”, diz o comentador da Renascença.

Sobre o mesmo assunto, o socialista Francisco Assis garante que não há margem de manobra para soluções muito diferentes e que o Governo entende que “não É possível atender a todas as pretensões”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    03 jan, 2019 Lisboa 14:48
    "Falandrou", como se costuma dizer. Falou, falou, falou ... e não disse nada, até porque não tem nada a dizer. Dinheiro há. O que não há é vontade de perder as boas graças de Bruxelas e deixar de ser o "Bom Aluno" quando as despesas públicas subirem, preocupação que não se viu quando foi necessário recapitalizar a Banca, com milhares de milhões de Euros dos nossos impostos.